Você já deve ter ouvido aquele ditado “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, certo? Pois foi basicamente assim, há milhares de anos, que a Puente del Inca, na Argentina, surgiu. E quem observa de longe essa formação rochosa com tonalidade amarelo ocre jamais imagina que tudo isso é obra da natureza.

Localizada a 183 km de Mendoza, na Argentina, quase na fronteira com o Chile e pertinho do Parque Aconcágua, a Puente del Inca se tornou uma das principais paradas de turistas que desbravam a Ruta 7.

A formação rochosa, a 2.700 metros acima do nível do mar, chama a atenção pela grandiosidade, já que tem 48 metros de comprimento e 28 de largura. Tudo fica mais bonito vendo, ao fundo, a Cordilheira dos Andes que consegue deixar a paisagem ainda mais exuberantes.

Quanto custa viajar para Mendoza, na Argentina? Confira tudo aqui

puente del inca
Foto: Cícero R. R. Omena
Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

A ponte natural fica 27 metros acima do Rio Las Cuevas, formado com águas termais e famoso graças às suas propriedades curativas. Hoje, não é possível entrar nas águas, apenas apreciar toda a beleza natural.

Mas, no século passado, nas proximidades da ponte existia um hotel grandioso, que aproveitava a fama das águas termais para atrair turistas para a região. Após uma avalanche que atingiu a região, quase tudo foi destruído, restando apenas uma capelinha aos pés da montanha e a construção que funcionava como as termas, logo abaixo da ponte.

Nas redondezas da Puente del Inca ficam vários vendedores ambulantes que comercializam itens tradicionais. Aproveite para prestigiar o turismo local. Os pouco mais de 200 habitantes do povoado dependem da comercialização de itens como lembrancinhas.

Foto: Robert Cutts

O surgimento da ponte, de acordo com a lenda quéchua local, é bem interessante. Segundo ela, o herdeiro do trono do Império Inca estava muito doente. Buscando uma esperança de cura, os guerreiros Qosqo e o imperador levaram o menino para ser tratado nas águas termais da região sul. Meses de caminhada e, ao chegar até a travessia, o rio furioso rompeu a ponte que ali se encontrava.

Os guerreiros então se abraçaram e formaram uma ponte humana para que o imperador e o herdeiro conseguissem atravessar. Assim que a travessia se completou, o imperador virou-se para agradecer pelo esforço daqueles homens, mas percebeu que eles haviam sido petrificados, dando origem à Puente del Inca.

Como chegar à Puente del Inca

puente del inca
Foto: Wikimedia Commons

A Puente del Inca fica no caminho de quem viaja de Mendoza a Santiago, cruzando a Ruta 7 e se aventurando nas curvas da Estrada Los Caracoles. Além da formação rochosa, quem faz essa viagem ainda pode fazer uma pausa no Cementerio de los Andinistas e na Estação de Esqui Los Penitentes, uma opção mais barata para quem deseja esquiar na Argentina. Só fique atenta ao funcionamento, pois em períodos sem neve ela não abre. O percurso pode ser feito com um veículo particular ou com um carro alugado em Mendoza.

Se preferir mais comodidade, contrate uma excursão diurna para os Andes, partindo de Mendoza incluindo o Parque Aconcagua, Uspallata e a Puente del Inca. De maneira geral, todos os passeios com agências que incluam o Tour de Altas Montañas passam pela ponte.

Onde ficar

puente del inca
Foto: Pixabay

Por ser mais uma rota de passagem, a maioria dos viajantes opta por ficar em Mendoza ou até mesmo seguir viagem e ficar hospedada em Santiago. Mas, caso opte por ficar nesse povoado, é possível encontrar hotéis rústicos em Las Cuevas (a 12 km da ponte natural) e até mesmo em Los Penitentes.

Em Las Cuevas, tem o Portezuelo del Viento – Hostel de Montaña ou a Hospedaje Leñas del Tolosa, enquanto em Los Penitentes tem a Altas cumbres ou os apartamentos da Puente Inca Turismo y Aventura.

Quem gosta de conhecer destinos inusitados por onde viajar, com certeza vai curtir visitar a Puente del Inca e demais atrações pertinho dessa formação natural.

Para embarcar e conhecer a região, encontre sua passagem aérea para Mendoza aqui. A cidade é incrível 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *