Vitória é famosa por ser uma das três ilhas-capitais brasileiras. E, apesar de ser a capital do Espírito Santo e o município capixaba de maior PIB, é apenas a quarta cidade mais populosa do estado. São esses predicados que fazem da capital uma cidade moderna, com muita qualidade de vida, mas, ao mesmo tempo, com um ritmo tranquilo e de...

Leia Mais
  • População 355.875 mil

  • Hora local 10:18

  • 1 Real R$ 1,00

  • Temperatura local 23.29º Ver previsão

Calcule quanto irá custar sua viagem para Vitória

Atrações turísticas em Vitória

Veja todos

Encontre a hospedagem perfeita para você

As melhores opções de hospedagem em Vitória

Hospedagem em Vitória

menor valor maior valor
Pousada R$ 80,10 R$ 80,10
Albergue R$ 100,00 R$ 140,00
Hotel R$ 119,00 R$ 525,00
Apartamento R$ 120,00 R$ 316,00

Alimentação em Vitória

Média de preços por dia com base em centenas de experiências

  • Café da manhã


    R$ 10,80 R$ 10.80 a R$ 24,00 R$ 24.00
  • Almoço


    R$ 18,00 R$ 18.00 a R$ 44,40 R$ 44.40
  • Jantar


    R$ 28,80 R$ 28.80 a R$ 66,00 R$ 66.00

Guia Vitória

Vitória é famosa por ser uma das três ilhas-capitais brasileiras. E, apesar de ser a capital do Espírito Santo e o município capixaba de maior PIB, é apenas a quarta cidade mais populosa do estado. São esses predicados que fazem da capital uma cidade moderna, com muita qualidade de vida, mas, ao mesmo tempo, com um ritmo tranquilo e de preços justos aos turistas.

A cidade é também conhecida como um dos grandes destinos do turismo de negócios no Brasil. Esse tipo de turismo incentivou o desenvolvimento da infraestrutura de serviços, como hotéis e restaurantes, além de incrementar as opções de lazer na cidade, que beneficiam os mais diversos perfis de viajantes.

Com quase 470 anos de existência, Vitória ainda guarda muita história e tradições. Sem falar das belas paisagens. Chegar à cidade de avião é presenciar um belíssimo cartão-postal. São 34 ilhas, vários bairros bastante arborizados, parques que oferecem bons passeios, praias agradáveis e uma culinária deliciosa, especialmente para os amantes de peixes e frutos do mar.

No quesito cultura, todos os caminhos levam à Cidade Alta. Vitória, que foi fundada em 1551, preserva alguns patrimônios da época e que se concentram nessa região.

E, como em muitas cidades brasileiras, um movimentado dia de turismo sempre acaba em boa mesa. Reza a lenda capixaba que a panela de barro, para dar boa moqueca, precisa ter sido feita pelas Paneleiras do bairro de Goiabeiras. Produzidas pelas mulheres do bairro em um imenso galpão, as peças são feitas de maneira artesanal. A técnica é herança indígena e passada de geração para geração.  Só assim para provar uma legítima moqueca, de acordo com os locais.

Já, quando se fala em praias, a praia do Canto é o epicentro de todo o agito da capital. A área conhecida como Triângulo das Bermudas abriga a maior concentração de bares, botecos, boates e restaurantes por metro quadrado da cidade.

A extensa praia de Camburi, por sua vez, possui calçadão com jardins, quiosques e ciclovia. Com a estrutura, o movimento é garantido. Fora isso, a praia conta com uma escola de vela e um píer, de onde partem vários passeios de escuna. Não longe dali, fica a saída para a Ilha do Boi, com as praias mais sossegadas da capital do Espírito Santo.

A pesca marítima também é uma atração do litoral de Vitória. O trecho que vai da capital a Guarapari é um considerado um dos melhores do mundo para a pesca esportiva do marlim-branco e do marlim-azul. Entre os meses de outubro e fevereiro, campeonatos internacionais atraem atletas de diversos países.

Durante todo o ano Vitória recebe turistas, mas no verão o fluxo é maior e a região fica mais movimentada. Nessa época sempre há atrações nas praias, como shows e torneios esportivos. Nos fins de semana, os hotéis são mais baratos e, no Réveillon, é possível encontrar bons preços quando comparado com outras capitais.

É importante lembrar que os desfiles de Carnaval na cidade acontecem sempre uma semana antes do feriado, por isso, é uma época bem tranquila na capital. No entanto, não muito distante de Vitória, o Carnaval popular ocorre em lugares como Iriri, Guarapari, Conceição da Barra e Manguinhos.

É impossível visitar a capital e não dar um pulinho na cidade vizinha, Vila Velha. A cidade mais populosa do Estado tem opções que podem incrementar o roteiro de viagem, como o Convento da Penha, um dos santuários religiosos mais antigos do Brasil. No final de abril até os primeiros dias de maio, acontece, inclusive, a Festa da Penha. A celebração dedicada à padroeira do Estado é a terceira maior festa religiosa do país. Durante os dias de festa há romarias, missas, feira e shows de diversos artistas.

Como chegar

O meio de transporte mais indicado para quem quer conhecer a capital capixaba é avião. Recebendo voos das principais cidades brasileiras, o Aeroporto de Vitória – Eurico de Aguiar Salles (VIX) é pequeno e ainda deixa a desejar quando o assunto é infraestrutura. De qualquer forma, essa é uma opção bastante viável quando se leva em consideração o tempo de percurso. O hub aéreo fica a aproximadamente 10km do centro da cidade e, para fazer o trajeto, os viajantes devem optar por táxis ou linhas comuns de coletivos.

Outro meio de transporte bastante utilizado são os ônibus. Inaugurado em 1979, o Terminal Rodoviário Carlos Alberto Vivácqua Campos ainda é um importante hub de conexão da cidade. São mais de 8 mil passageiros ao mês, fazendo do local o maior centro rodoviário do Espírito Santo. Devido à sua posição geográfica, o local recebe viagens principalmente dos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, além de ônibus que partem de outras cidades do próprio Espírito Santo. Algumas das empresas que operam por lá são a Gontijo, a Itapemirim e a Rio Doce.

Ainda para quem não tem medo de encarar estradas, é possível fazer o percurso utilizando veículo próprio ou alugado. São 533km que separam a capital capixada do Rio de Janeiro, 544km de Belo Horizonte e 869km de São Paulo. Para aqueles que vem pelo litoral sul ou norte, o acesso acontece pela rodovia BR-101. Já para quem vem de Minas Gerais, o percurso deve acontecer pela BR-262.

Já para quem está em Minas Gerais, outra forma de chegar à Vitória é por meio de trem. Apesar de ser um meio de transporte inusitado no Brasil, o viajante que escolher essa opção será brindado com paisagens muito bonitas pelo caminho. O percurso acontece pela Estrada de Ferro Vitória-Minas e demora cerca de 13 horas (esse é o único itinerário ferroviário de longa duração com partidas diárias no Brasil).

Vida noturna

Se você está com uma ideia de noite efervescente igual São Paulo e Rio de Janeiro proporcionam, é melhor não ir com tanta expectativa para não correr o risco de se decepcionar. Apesar de ter opções capazes de fazer a galera mais jovem se divertir, as alternativas na capital capixaba são mais limitadas e as chances de você ver as mesmas pessoas circulando pelos mesmos lugares em dias diferentes acaba sendo bem alta.

A região mais boêmia da cidade é conhecida por Triângulo, um trecho a apenas três quarteirões da orla que fica no coração da Praia do Canto. Por lá acontece a maior concentração de restaurantes, bares e casas noturnas da cidade, se tornando uma opção óbvia para quem está em busca de agito. A boa notícia é que a área está próxima à rede hoteleira da cidade, facilitando também o deslocamento do viajante. Essa é uma típica região para quem quer ver e ser visto, portanto é o lugar onde a elite de Vitória costuma frequentar quando procura por diversão noturna.

A outra alternativa é a Rua da Lama, uma área também boêmia, mas com foco no público despretensioso que quer apenas tomar uma boa cerveja. Situada em uma zona universitária, a Rua da Lama fica no bairro Jardim da Penha, em frente à Universidade Federal do Espírito Santo. É, portanto, uma região bem procurada por aqueles que querem economizar, especialmente pelo público mais jovem e alternativo.

Apesar de não ser tão procurada assim, a região do centro da cidade tem despontado recentemente como uma nova zona notívaga de Vitória. Por lá, novos bares deram gás à Rua Gama Rosa, que no passado era um importante centro boêmio local, mas nos últimos anos passou por um período de decadência. É uma opção também viável e interessante, especialmente para aqueles que estão hospedados nos arredores!