A gastronomia move montanhas e faz com que muita gente cruze fronteiras apenas para sentir sabores exóticos. Bem, em Cuba, é um pouco decepcionante essa tarefa, seja pela qualidade, os preços ou a falta de opções viáveis para quem quer se deliciar de verdade com um prato de comida. Na missão de evitar frustrações, arrependimentos e até poupar a sua grana, separei 5 lugares para comer em Havana.

Não tive nenhuma experiência gastronômica extraordinária com a culinária local. Isso me doeu! A comida cubana – assim como a caribenha – tem influências africanas e portanto há semelhanças com a brasileira, como a forte presença do feijão preto, da banana e do arroz na base alimentar. Porém, acredito que boa parte do que chega à mesa se deve realmente ao sistema do governo, impondo limites ao acesso de vários ingredientes. As condições financeiras de cada morador também influenciam diretamente no que eles podem oferecer aos seus hóspedes ou visitantes.

Soube, pelos locais, que é difícil adquirir alguns itens comuns para nós, como o queijo e demais derivados do leite, limitando de fato as criações de receitas mais elaboradas. É muito caro para produzir no país e mais caro ainda para importar esse lote. Quando se vê um queijo na mesa, por exemplo, é bem provável que a qualidade seja de média para ruim.

O típico “PF” cubano, que sempre vem acompanhado de proteína animal, servido no almoço do La Piña de Prata, no Centro Velho. Foto: Brunella Nunes

Veja, comer bem de verdade não implica em pratos gourmet ou chefs estrelados. De maneira alguma tais fatores são garantia de sucesso ou uma refeição satisfatória o suficiente para você se lembrar da comida com aquele sagrado gostinho de quero mais. Se quer um exemplo real, podemos falar do acarajé de rua vendido na Bahia ou dos quitutes indianos que sequer passariam na vigilância sanitária, mas são no mínimo apetitosos.

Mas em Cuba fica difícil de verdade se deparar com uma comida deliciosa ou suficientemente inesquecível. Os menus não encantam e tampouco os sabores. A comida é geralmente simples, sem grandes novidades, invenções ou temperos especiais. Os restaurantes costumam ter basicamente os mesmos pratos e, quando muito, incluem toques da gastronomia internacional, como massas ou algum peixe oriundo de outros mares.

Pesquise aqui sua passagem aérea para Havana!

Estabelecimentos bonitões, tradicionais ou até descolados têm aos montes, especialmente no centro velho. Mas cuidado para não se enganar com o visual e, especialmente, com o custo do que irá consumir, porque pode não valer a pena mesmo. E ah! Um ponto positivo: o drink Piña Colada dificilmente decepciona, mas pode ser que você tenha de pedir mais doses de rum no seu.

Onde comer em Havana

El Biky

A vantagem do El Biky é que ele se espalha por mais de um endereço na capital. Tem um ambiente agradável, limpo, uma equipe atenciosa e um menu recheado, com carnes, massas e até pizza. Ali é possível fazer uma refeição completa e bem servida, do café da manhã ao jantar. Os drinks são bem gostosos! Bom custo-benefício e uma ótima pedida para sair à noite com seu par ou seus amigos.

Cafe D la Esquina

Surpresa mais do que agradável, esse é O lugar para quem gosta de beliscar. E, convenhamos, de belisco em belisco, a barriga também enche. O D La Esquina tem uma agradável varanda no bairro Vedado, onde podem ser degustados picos e bambinas, que seriam lanches feitos com massa de pizza e recheios variados. O bom gosto vai além do cardápio, com apresentação caprichada! É também uma opção para o café da manhã, com combos por 5 CUC, mesmo valor praticado pelos moradores que abrigam viajantes em suas casas. Esse sim é um lugar que podemos chamar de delicioso!

La Taberna del Duque

Lugar bem interessante, afastado da muvuca do centro velho e com preços ótimos. É dividido em dois ambientes, sendo o de baixo para refeições rápidas e o de cima, mais sofisticado, dedicado a refeições gourmet. O combo com hambúrguer, batata chips, refrigerante e salada de frutas sai por 13 CUC. No menu a la carte há porções (incluindo embutidos ibéricos), tapas, sanduíches, saladas, massas, carnes, entre outros, com custos entre 8 e 14 CUC por pessoa. A especialidade da casa é coelho ao molho de açafrão e ervas aromáticas.

Veja dicas de onde se hospedar em Havana

El Dandy

Pessoas se divertindo deixam a gente curiosa do lado de fora. É comum ver grupos de amigos papeando e rindo juntos no El Dandy, que fica no Centro Velho, porém mais escondidinho. Aliás, os arredores são bacanas, com lojas e outros bares chamativos por uma razão ou outra. A decoração do local chama a atenção, com azulejos antigos e uma leve cara de mercearia misturada com nossos tradicionais botecos. Uma delícia sentar por ali e ver a vida passar. Melhor ainda é se pedir um lanchinho ou umas bruschettas para acompanhar a contemplação. Atendimento gentil e preços justos.

Atelier

Pertinho do café acima está o restaurante Atelier, numa rua zero movimentada. Ocupando um casarão, funciona também como antiquário e tem a decoração um tanto retrô, além de mesas ao ar livre num terraço bem agradável. O cardápio, escrito a mão, reúne vários tipos de carne, o que é raridade em Cuba: cordeiro, camarão, pato e salmão estão entre as opções, preparados e servidos com toque gourmet. Apesar de ser um lugar bacana para jantar, a comida não tem nada de especial, embora a crítica da imprensa internacional tenha se apegado ao lugar com unhas e dentes. É necessário fazer reserva.

Bônus: Paladar San Cristóbal

Em operação desde 1914, esse restaurante é considerado um dos melhores da cidade, mas fica escondido numa rua feia e bagunçada, daquelas que você facilmente evitaria se estivesse num lugar perigoso. Como em Cuba o perigo definitivamente não mora ao lado, sendo a ausência de medo um dos sentimentos mais libertadores que o país desperta, pode ir ao Paladar San Cristóbal tranquilamente. Um desenho em azulejaria já chama a atenção logo na discreta fachada, mas o melhor está por dentro, onde se vê uma decoração bem peculiar, com quadros diversos, inclusive um de Barack Obama – visitante ilustre do local -, livros, fotos, letreiros, itens religiosos e antiguidades. No menu, elaborado pelo dono e chef Carlos Cristóbal Márquez, há muitas opções (incluindo vegetarianas), mas o destaque vai para a carne de porco selvagem, o ceviche de berinjela e filé de peixe Florida ao molho de laranja.

Todas as fotos por Brunella Nunes
reprodução 
proibida

O melhor jazz de Havana fica numa cabine telefônica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *