Para nós, Pequim, mas em mandarim o nome correto é Beijing, que quer dizer capital do Norte. E Pequim também é a segunda maior cidade do país, além de ser o centro político e cultural da China. Não à toa, é uma das cidades mais visitadas do mundo devido ao seu passado rico em história, muito bem representado através...

Leia Mais

Atrações turísticas em Pequim

Guia Pequim

Para nós, Pequim, mas em mandarim o nome correto é Beijing, que quer dizer capital do Norte. E Pequim também é a segunda maior cidade do país, além de ser o centro político e cultural da China. Não à toa, é uma das cidades mais visitadas do mundo devido ao seu passado rico em história, muito bem representado através de monumentos que fazem parte da lista de Patrimônios Mundiais da Unesco.

Pequim se preparou muito bem para os Jogos Olímpicos de 2008, passando por diversas transformações que até hoje resultam na conscientização dos moradores para que recebam bem os turistas, com isso a população começou a se comunicar mais em Inglês com os turistas, placas em Inglês foram instaladas nas ruas, os restaurantes começaram a disponibilizar cardápios em Inglês, tudo para facilitar a viagem e tornar uma experiência mais prazerosa.

Ir até Pequim e não visitar as muralhas da China é quase como ir a Roma e não conhecer o Coliseu. A Grande Muralha da China fica a cerca de 70 quilômetros da capital, considerando o trecho mais próximo e o mais visitado que chama-se Badaling, podendo ser conhecida através de excursões organizadas com agências de viagens. É grande a quantidade de turistas que visitam a muralha diariamente, ainda mais em certos trechos que foram restaurados recentemente. Para ver a muralha com mais tranquilidade e menos gente disputando um lugar para fazer a mesma foto, tente caminhar para áreas mais afastadas, vai valer a pena, afinal não é todo dia que se tem a oportunidade de visitar a muralha. A Muralha da China é dividida em vários trechos, com nomes diferentes, cada um com suas peculiaridades, uns mais originais, outros com mais gente, e por aí vai. 

A Praça da Paz Celestial, chamada de Tiananmen, ficou conhecida pelos inúmeros protestos estudantis, mas hoje o local é praticamente ponto de encontro de turistas e famílias passeando entre soldados. Próximo dessa praça, há vários outros pontos de interesse turístico e histórico como o Museu Nacional da China, o Grande Hall do Povo, que é a sede do parlamento de um único partido e a Cidade Proibida. 

E falando em Cidade Proibida, esta é mais uma atração imperdível em Pequim. Um complexo bem no centro da cidade que abriga aproximadamente mil edifícios, belos jardins, portões gigantescos e pátios protegidos por uma grande muralha vermelha. Quem quiser conhecer bem a Cidade Proibida, é bom reservar ao menos um dia da viagem para o passeio, mas tudo depende do interesse de cada um, há quem conheça em até duas horas.

Os Hutongs, são bairros tradicionais chineses e símbolo de história. Com ruelas que parecem labirintos, fica fácil se perder por ali. É como se fosse uma cidadezinha de interior, dentro da grande metrópole que é Pequim. À noite, os hutongs costumam ser bem animados, com restaurantes típicos e movimento de chineses e turistas circulando pra lá e pra cá. Esses bairros são uma boa mostra do antigo estilo de vida de muitos chineses, mas estão condenados ao desaparecimento.

O Palácio de Verão foi construído no século 18 para que a corte imperial tivesse um refúgio durante a estação mais quente do ano. Fica a 12 quilômetros do centro e é um complexo com palácios, lagos, jardins e pontes, um lugar com muita história e beleza.

O Templo do Céu é um dos mais belos monumentos da cidade e de toda a China, e está na lista de Patrimônios Históricos da Unesco. Construído no século 15 e reconstruído no ano de 1889, ele fica dentro de um parque urbano, onde a principal atração é o templo circular, local que servia para orações do imperador.

O bairro artístico 798 era antigamente ocupado por uma fábrica militar e tornou-se o centro artístico de Pequim, onde grafites decoram boa parte dos muros. A estrutura e arquitetura original do bairro estão mantidas, e no lugar de uma grande fábrica hoje existe um pouco de tudo, desde restaurantes moderninhos, barracas com comidas de rua, galerias de arte, cafés, lojas, exposições artísticas e muita gente circulando pelas ruas, inclusive noivos fazendo pose para fotos de casamento. 

O Estádio Olímpico Nacional, mais conhecido como Ninho de Pássaro, foi construído para ser a arena principal das Olimpíadas de 2008. Pouco utilizado após terminar o evento, tornou-se mais uma grande atração turística. O apelido de Ninho de Pássaro surgiu devido à forma de sua estrutura externa que se assemelha a um ninho. 

Para uma autêntica experiência gastronômica, visite as barracas de rua de Wangfujing, onde há desde os pratos mais clássicos como o yakisoba até os espetinhos feitos com carne de cobra, escorpiões e cavalos-marinhos. Bom