Mesmo que seja porta de entrada para outras duas regiões bastante turísticas, Campo Grande tem seus encantos e merece a atenção do viajante. Portanto, faça de lá mais do que um pit-stop para Bonito ou para o Pantanal mato-grossense, afinal a região conta com uma gastronomia bastante desenvolvida, vida noturna agitada e alguns pontos turísticos que valem a sua visita. O mais interessante de Campo Grande é andar pelas ruas e perceber o trânsito organizado, além da infraestrutura de ponta de uma das cidades brasileiras que mais tem investido no turismo nos últimos anos.

Já quando o assunto é hospedagem, a região central é a área que compreende os bairros mais procurados pelo turista. Com diferentes características, mas sempre bem abastecidos pela rede hoteleira, os lugares são capazes de garantir uma estadia tranquila e confortável ao viajante.

Abaixo, o Quanto Custa Viajar explica como é ficar hospedado em cada uma dessas regiões. Confira!

Centro Histórico

Assim como acontece na maioria das cidades brasileiras, essa é uma opção com bom abastecimento da rede pública de transportes e lojas de comércio. A região também tem sofrido uma revitalização nos últimos tempos, com o objetivo de priorizar os pedestres e não mais os carros e vagas de rua. Por lá há uma boa variedade de hotéis, desde redes famosas a pequenos estabelecimentos locais. Como ponto negativo, o turista que se hospedar nessa região viverá um clima mais caótico, pois a área é tomada pelo comércio. É, no entanto, uma boa opção para aqueles que prezam por locomoção e localização.

Amambaí

Vizinho do centro histórico, esse é o bairro mais antigo de Campo Grande. O local conta com diversos pontos de interesse, como a Praça das Araras (um dos pontos turísticos mais visitados da cidade), a primeira rodoviária municipal, a Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, a Morada dos Baís, o Camelódromo, o Círculo Militar e o Colégio Osvaldo Cruz, por exemplo. É nesse bairro também que está a maior oferta de hotéis, permitindo que o viajante tenha um bom leque de opções na hora de fazer a sua escolha.

São Francisco

Também colado ao centro da cidade, esse bairro mantém uma atmosfera que mistura tradição e modernidade. Isso porque à medida que o local cresceu, ganhando forte comércio forte e acesso fácil a diversos pontos da urbe, ainda é o clima do passado que prevalece (com a presença de muitas famílias tradicionais, inclusive). Como principal atrativo, a área abriga a Igreja São Francisco, que merece ao menos uma parada para fotos.

Carandá Bosque

Considerado um dos bairros mais valorizados de Campo Grande, o local é ladeado pelo Parque das Nações Indígenas e pelo Parque Ecológico do Sóter. Portanto, se você preza por ambientes mais verdes e por uma estadia que permita a realização de exercícios físicos ao ar livre, essa região pode ser uma boa alternativa para você. Apesar dos pontos positivos, a área é conhecida por ter alta taxa de furtos e roubos, justamente por abrigar as casas de moradores de classe média-alta. É também um bairro mais despregado do centro da cidade.

Chácara Cachoeira

Destronando o Jardim dos Estados, tradicional bairro de pessoas endinheiradas de Campo Grande, a região é agora a que concentra o maior rendimento nominal médio da capital sul mato-grossense. Isso acontece porque os ricos mudaram suas prioridades e agora preferem uma região tomada pelo verde e tranquilidade em detrimento de um bairro mais central. Por ser a área mais nobre de Campo Grande, é de se esperar que as hospedagens sigam essa tendência, fazendo com que o turista desembolse um pouco mais para ficar por lá.

Encontre a hospedagem perfeita para você

As melhores opções de hospedagem em Campo Grande

Hospedagem em Campo Grande

menor valor maior valor
Hotel R$ 69,00 R$ 84,35
Pousada R$ 80,00 R$ 160,00
Apartamento R$ 80,46 R$ 272,00
Albergue R$ 95,00 R$ 110,00