Um dos principais bichos de sete cabeças de qualquer turista é saber qual é o melhor local para reservar a sua hospedagem. Em muitos casos, essa escolha definirá a tônica do que serão as suas férias: um paraíso ou um inferno. Em cidades como Hamburgo, porém, essa decisão ganha recortes mais suaves. Isso porque o município alemão é considerado bastante seguro e possui uma rede de transportes públicos que é bastante eficiente. Portanto, mesmo que você esteja um pouco mais afastado, isso não é motivo para se descabelar, desde que você se certifique que exista uma estação de trens ou ônibus frequentes na região.

Alguns bairros, porém, por conta das suas características e infraestrutura, são capazes de garantir uma experiência de viagem mais amplificada. Abaixo, o Quanto Custa Viajar elenca as melhores regiões para se hospedar na segunda maior cidade alemã. São elas:

Centro

É uma das principais escolhas do turista por ser a área onde estão concentradas a maioria das atrações turísticas. Na Cidade Velha é onde está o coração da cidade, já a Cidade Nova é uma região marcada pela mistura de uma área residencial e milionários, além de abrigar o distrito dos teatros e parte do porto. Seja qual for a sua escolha, ao ficar nessa região é quase certo que você não precisará utilizar nenhum meio de transporte. Nesse caso, o dinheiro economizado com esse tipo de despesa poderá ser investido na acomodação em si, uma vez que os hotéis de lá tendem a ser mais caros.

St. Pauli

Conhecido como o Red Light District de Hamburgo, o bairro se destaca pela sua veia boêmia. Situado ao redor do porto, foi um lugar de prostitutas e trabalhadores de navios no passado, mas hoje desponta como uma das melhores opções para aqueles que gostam de vida noturna. A rua Reeperbahn é a mais badalada do local, sendo o coração do distrito. Ao contrário do centro, por aqui há mais opções democráticas – de valores mais acessíveis, inclusive – que se adequam aos bolsos de grande parte dos viajantes. Vale lembrar que foi em St. Pauli que os Beatles tocaram e ficaram famosos em 1960, mostrando a importância da área para o cenário artístico e musical.

Altona

É uma opção mais econômica para aqueles que pretendem gastar pouco em hospedagem. Apesar de ficar um pouco mais afastado, o local conta com uma estação de trens que é capaz de transportar o turista até o centro em apenas 10 minutos. Vizinho do St. Pauli, o local pertencia no passado à Dinamarca (e não à Alemanha), sendo essa uma das razões de a região ser marcada pela imigração.

Sternschanze

É considerado um dos bairros mais cools de Hamburgo. Isso porque, no passado, era um reduto pobre que foi pouco a pouco revitalizado até se transformar em um dos lugares mais legais para se hospedar na cidade alemã. Como não poderia deixar de ser, a atmosfera hipster predomina, com tendência para o alternativo. É um bairro que conta com cafés descolados, bares e cafeterias, sendo a pedida perfeita para jovens que estão alinhados com esse estilo.

St. Georg

Situado entre a principal estação de trens e o Lago Alster, o bairro pode ser considerado o coração LGBT do município. Por lá é possível encontrar restaurantes das mais variadas especialidades do mundo que garantem pratos suculentos para quem decide sentar em suas mesas. Em contrapartida, próximo a Steindamm, o domínio é dos turcos e restaurantes orientais. O requinte perde um pouco de força, mas ainda é de boa qualidade as comidas servidas por lá. O bairro conta com bares, lojas e cafés bem interessantes, sendo a opção preferida do público LGBT.

Encontre a hospedagem perfeita para você

As melhores opções de hospedagem em Hamburgo

Hospedagem em Hamburgo

menor valor maior valor
Apartamento R$ 375,28 R$ 2.214,67
Hotel R$ 393,44 R$ 2.136,27
Albergue R$ 400,74 R$ 1.388,52
Pousada R$ 414,95 R$ 604,73