Viajar com criança é sempre muito prazeroso. Vivenciamos novas experiências que marcam a nossa história de forma irreversível e acabamos desenvolvendo na criança uma cultura saudável de que viajar é um bom caminho. Nessas viagens aprendemos muito sobre empatia, sobre ainda ter fé e acreditar na humanidade e principalmente sobre humildade. Acredito que o lema de muitos viajantes seja: “menos é mais”, a não ser quando estamos falando de carimbos no passaporte, esse lema faz todo sentido. Ter menos significa ser mais, se preocupar mais com o hoje do que o amanhã, viver de forma mais simples e isso vale também para a hora de organizar a mala de forma mais objetiva. Menos é sempre mais…

Eu aprendi isso na marra, na primeira viagem que nós fizemos eu fiquei muito preocupada com a Clara, não podia me dar ao luxo de esquecer nada que ela pudesse precisar. Arrumei a mala uma semana antes para “ir lembrando” no decorrer dos dias de coisas importantes que eu estava deixando passar. E o fato é que quando estamos falando de crianças, TUDO É IMPORTANTE! Desde o termômetro que você implora a Deus para não ter que usar – nem na criança, muito menos em você – até a certidão de nascimento que é A COISA MAIS IMPORTANTE. Você pode esquecer qualquer coisa, menos o documento de identificação da criança e o seu, pois sem eles vocês não embarcam de jeito nenhum! Nessa viagem eu fiquei tão pilhada e preocupada de esquecer as coisas dela – ela só tinha 4 meses e eu estava indo conhecer um hostel em Búzios – que no final das contas eu esqueci as minhas coisas!

Quando chegamos ao hostel, me dei conta de que não tinha levado chinelo, nem toalha para mim, muito menos um pijama. Ou seja, eu teria que andar de meia pelo hostel, dormir de jeans e me secar com o vento – um desastre total! Mas a partir dessa viagem eu entendi que menos é MUITO mais. Que não preciso levar 5 mantas, mais 2 toalhas de bebê mais uma de adulto, 6 pares de meia, 1 pacote de fralda, 8 mil biscoitos – risos.

Mas então como arrumar a mochila quando se viaja com criança?

Eu geralmente viajo sozinha com a Clara, ou seja, meu primeiro pensamento é: além de carregar uma criança de 16kg eu ainda preciso carregar a mochila e ter os documentos à mão. Por esse motivo, eu preferi investir em uma mochila cargueira de 50 L, a minha ideia inicial era carregar a mochila nas costas e ela no colo. Quando comprei essa mochila, ela só tinha 4 meses, ou seja, cabia tudo o que precisávamos dentro, hoje já estamos precisando de uma maior, mas isso é assunto para outro momento…

Mochila 50l – imagem Decathlon

Dividir a mala com a criança não é o melhor dos mundos, por isso deve ser feito de forma muito inteligente e objetiva. Então antes até de arrumar a mochila eu sempre dou uma olhada no Climatempo da cidade que estou indo para saber qual estilo de roupa levarei. De toda forma tento colocar roupas coringas, mas vamos por partes.

FUNDO DA MOCHILA

Eu sempre começo pelo fundo da mochila, por que lá eu coloco tudo o que não precisarei usar imediatamente, como:

– Toalhas
– Fraldas descartáveis (às vezes para economizar espaço, dependendo do lugar que vou eu deixo para comprar as fraldas quando chego, levo só umas 3 para trocar na estrada)
– Pares extra de meias, roupas íntimas, casacos ou calças extras, toucas, fraldas de pano.
– Sandálias

COMPARTIMENTO CENTRAL

No bolso principal da mochila é onde eu empilho as roupas, duas pilhas, do lado direito roupas da Clara, do lado esquerdo as minhas. Geralmente levo 2 pares de roupa para cada dia, ou seja, se ficarei 4 dias em um lugar – como fiquei em Brumadinho/MG (leia o roteiro completo aqui) – são 8 pares de roupa. Pelo menos para ela, levando em consideração que ela corre o tempo todo então a propensão a sujar as roupas de forma drástica é bem maior. Além de um ou dois pijamas.

Organize a mala/mochila por setores

COMPARTIMENTO DO NOTEBOOK

Eu só levo o notebook em viagens quando estou sozinha, por isso uso o compartimento do note para colocar a certidão – por que ele tem uns ferros que ajudam a manter a mochila em pé que não permitem que a certidão amasse. É sempre um dilema para tirar a certidão de lá, mas se eu não estiver com bolsa de mão, é sempre o melhor lugar. Ou no caso de eu levar uma mochila de ataque, esse é o compartimento que vão os sapatos. Geralmente levo uma sandália rasteira para mim que dá para usar com todos os looks, tênis no pé e ainda levo um par de chinelos também. Para a Clara eu levo umas duas sandálias – uma aberta e uma fechada – e chinelos, ela geralmente vai usando tênis também.

BOLSOS LATERAIS

São aonde eu geralmente coloco produtos que precisam ficar em pé, como:

– Desodorante, protetor solar, shampoos e sabonetes líquidos.
– Guarda-chuva
– Equipamentos como o bastão de selfie ou a boia da GoPro
– Carregadores – da câmera e de celular

E às vezes quando não cabe dentro da mochila ou quando estou levando um par de sapato a mais, coloco nesses bolsos laterais.

BOLSO DIANTEIRO

No bolsinho da frente eu coloco coisas que preciso pegar rápido, como:

– Dinheiro e cartões
– Chaves
– Passagens
– Documentos (RG meu e da Clara, CPF, Carteirinha do ID JOVEM, Certidão de Nascimento)
– Fones de ouvido

Esse bolso tem uma vantagem, apesar de ser na frente da mochila – o que pode facilitar o acesso de pessoas mal intencionadas – ele é fundo, então coisas valiosas como o celular eu coloco bem no fundo do bolso que funciona como um “fundo falso”.

Depois de quase tudo dentro da mochila, eu ainda preciso arrumar espaço para:

– Câmera fotográfica, pilhas, power bank
– Biscoitos
– Toalha de mão
– Nécessaire (escova de dentes, pasta de dentes, absorventes, termômetro, band-aids, remédios receitados – caso estejamos tomando algum, ou vitaminas)
– Cartão de Vacina (em alguns lugares é obrigatória a apresentação do certificado de vacinação da Febre Amarela)
– Agenda e caneta (por que se eu não anotar, eu esqueço)

Ou seja, no final das contas o que eu geralmente faço quando viajo é uma simples “mágica”. Tenho percebido que ao longo do tempo e conforme vou ganhando experiência em viajar com ela eu gasto menos tempo arrumando a mochila e levo cada vez menos coisas desnecessárias. Como diriam os sábios: “a prática leva à perfeição!”

Em algumas exceções eu viajo acompanhada de outras pessoas que podem me dar suporte com a Clara, como quando viajo com meu pai de carro – é bem mais confortável e eu me sinto bem mais livre para levar tudo o que eu acho que vou ou não precisar. Sim, rola um exagero quando eu percebo que terei certo conforto na locomoção, mas tenho tentado melhorar a cada viagem esse mau hábito.

E vocês? Quais as melhores formas de economizar espaço e tempo na hora de arrumar a mala? Me contem todos os seus truques!

Texto por Camila Santos

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *