Queridinha entre os fashionistas e amantes do design, Milão é conhecida pela mente criativa e pela sofisticação de seu povo. Mas é nas alturas que se encontra uma das melhores coisas a se fazer na capital da moda: o telhado do Duomo de Milão, catedral de arquitetura impressionante e relevância histórica.

Localizado na Praça Central, ela impera em meio ao cenário urbano e jamais passaria despercebida. A enorme maravilha arquitetônica é exuberante em cada detalhe, resultado de um trabalho feito a muitas mãos. A obra complexa começou a ser erguida em cima da igreja Santa Maria Maggiore, que a partir de 1387 foi demolida gradualmente para ganhar estilo gótico. E dentro de toda a sua estrutura há um verdadeiro baú de tesouros.

Na época, o duque Gian Galeazzo Visconti pediu pela troca de alvenaria por mármore de Candoglia, causando uma verdadeira revolução nos padrões, exigindo a busca por uma equipe de engenheiros, arquitetos, escultores e lapidários especialistas no estilo gótico. Por ser tão única, a catedral contou com muitas pessoas envolvidas na obra, tornando difícil a identificação de todos no projeto e, ao mesmo tempo, um misto de culturas e ideias.

Na época da Reforma Católica, o arcebispo Carlo Borromeo (1565) e seu arquiteto Pellegrino Pellegrini optaram por dar mais grandiosidade ao Duomo, incluindo altares laterais, cripta, batistério e pavimento aos seus 11.700 m². Com o passar do tempo e a morte da família Borromeo, o estilo neoclássico também cravou seu espaço no projeto, influenciando as decorações.

Em seu interior foi aplicado mais mármore ainda, além de vitrais, quadros, estátuas talhadas e imagens santas. A fachada só foi concluída em 1813 e modificada em 1932. A construção, por completo, demorou cinco séculos para ser concluída.

Para o alto e avante estão 135 pináculos de mármore e torres cheias de detalhes ornamentais. A estrutura conta ainda com mais de 1800 estátuas de variados tamanhos, nichos e esculturas.  No décimo andar, onde está o terraço, dá para observar toda a magnitude da obra e observar a cidade de diversos ângulos panorâmicos e perspectivas. Alguns binóculos públicos estão posicionados em pontos estratégicos para alcançar lugares dos quais a vista não chega.

O interessante desse passeio é estar em lugares geralmente proibidos pelas igrejas. Passeando entre seus detalhes arquitetônicos você consegue observar todo o esplendor e beleza da construção, além de ter vários mirantes incríveis da cidade. Embora seja limitado em termos de acessibilidade, é um dos pontos mais legais e mágicos de Milão.

Dica: a partir de 1953, o Duomo também passou a ter um museu próprio, que funciona logo ao lado, no térreo da ala mais antiga do Palazzo Reale. São 19 salas recheadas de artigos religiosos, incluindo estátuas, objetos e mobiliários eclesiásticos. Você também pode esticar o passeio e visitá-lo, pois está incluso no ingresso que dá acesso à igreja.

Quanto custa: os tickets para ir ao terraço tem preços variados, € 4,50 a € 9,00 (subindo as escadas de fácil acesso) ou € 7,00 a € 13,00 (de elevador). Também é possível comprar passes que dão direito a vários passeios, incluindo catedral, museu e a igreja San Gottardo, por exemplo. Confira no site oficial.

Como chegar: a igreja está na Praça do Duomo, região central. Para chegar lá você pode pegar as linhas 1 e 3 do metrô. Também há bondes de Torino, linhas 2, 3 e 14; e Dogana, linha 24m.

Para dica de onde se hospedar em Milão, confira o nosso site!

Todas as fotos: Brunella Nunes/equipe QCV

Galleria dell’Accademia em Florença: admire o esplendor do David de Michelangelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *