Quando as pessoas descobrem que eu morei um tempo na Romênia, uma das primeiras perguntas que me fazem, em tom incrédulo, é sobre como eu me comunicava por lá. Logo depois vem a avalanche de questões sobre segurança, ciganos e a típica: “mas o que é que a Romênia tem?“.

Essa última pergunta pode ser a mais difícil de responder. Afinal, o destino não é que nem a baiana, que “tem graça como ninguém”, segundo já cantava Dorival Caymmi. Mas vamos lá tentar solucionar as dúvidas mais frequentes de quem pensa em conhecer este país do Leste Europeu

Precisa de visto para a Romênia?

Brasileiros não precisam de visto para ingressar na Romênia como turistas. Nossos compatriotas podem passar até 90 dias no país a cada 180 dias.

Os passaportes devem ter pelo menos seis meses de validade na data de ingresso. Além disso, é recomendado levar consigo cópias das passagens de regresso, comprovante de hospedagem e seguro saúde.

Descubra quanto custa viajar para a Romênia

Cidade de Brașov, na Transilvânia romena. Foto: Chelsea London Phillips

A Romênia é perigosa?

Muita gente parece se preocupar com a questão da violência nos destinos que visita. Felizmente, a Romênia não é perigosa, embora o Itamaraty sugira viajar para lá com um grau moderado de cautela.

Crimes violentos não são comuns em zonas turísticas, como áreas centrais de Bucareste ou nas cidades de Sibiu e Brașov, na Transilvânia. Entretanto, furtos ocorrem com frequência em regiões bastante movimentadas, principalmente próximo a estações de trem, metrô e ônibus.

Também podem acontecer pequenos golpes visando tirar dinheiro dos turistas. Evite pessoas que dizem ser policiais à paisana e pedem para conferir os seus documentos (a lei romena obriga policiais a andarem fardados) e não pegue táxis nas ruas, pois há muitos incidentes de taxistas que cobram valores abusivos dos viajantes, chegando a ameaçá-los em caso de não pagamento.

Estrada Transfăgărășan, Romênia. Foto: Alexandru Acea

Um dos principais perigos em Bucareste reside nos cães de rua, visto que a população de animais abandonados é enorme. Muitos destes animais não são vacinados e podem representar um risco à saúde humana em caso de ataques. Para se prevenir, basta afastar-se caso encontre com alguma matilha.

Desastres naturais

Bucareste e a região sul do país estão localizadas em uma área sísmica. Isso significa que terremotos ocorrem com alguma frequência. A capital romena chegou a ser parcialmente destruída por um sismo em 1977.

Na Moldávia e na Transilvânia, os perigos naturais estão mais relacionados a alagamentos e enchentes, mas não costumam afetar regiões turísticas.

Que língua se fala na Romênia?

A língua da Romênia é o romeno. Fácil, né?

Esse idioma é de origem latina e guarda muitas semelhanças com o português e o italiano, por exemplo. Graças à raiz comum, não será difícil entender algumas expressões em romeno durante a sua viagem e até mesmo arriscar algumas palavras. Mesmo assim, tenha em conta que cerca de 20% do vocabulário romeno tem origem eslava, o que pode dificultar o entendimento em alguns momentos.

Cidade de Brașov, na Transilvânia romena. Foto: Dan Novac

Muita gente confunde o romeno com o romani, o idioma cigano. Fique sabendo que as semelhanças entre eles param no nome. E, se te perguntarem se os romenos são ciganos, joga logo um número na conversa: cerca de 2% deles são, os outros 98% não. 😉

Os ciganos são um povo que, até onde se sabe, vem da Índia. Apesar disso, é bem difícil traçar ao certo suas origens, visto que eles preservam até hoje o modo de vida nômade.

Ok, mas você não vai se virar só no enrolation em romeno, né? Então saiba que o inglês não é um idioma tão difundido, sendo falado apenas em ambientes mais turísticos, e o espanhol também conta com um bom número de falantes. O francês ainda é a segunda língua de grande parte da população, falado como idioma estrangeiro principalmente por quem já passou dos 40 anos.

Moeda da Romênia

A moeda oficial é o leu ou lei (no plural).

O valor de um leu é equivalente ao de R$ 1. Cada leu é dividido em 100 bani (centavos).

Em alguns lugares, os preços podem estar indicados como RON, que é o código usado para a moeda. Em geral, o custo de vida na Romênia regula com o de capitais de médio porte no Brasil, como Porto Alegre, Curitiba ou Belo Horizonte.

Cidade de Brașov, na Transilvânia romena. Foto: Chelsea London Phillips

Como é a comida na Romênia

A gastronomia tradicional do país deve agradar aos paladares brasileiros, visto que não leva nada que seria considerado “esquisito” para os nossos padrões.

Espia só alguns dos principais pratos:

  • Mămăligă: é a nossa polenta, que costuma ser servida como entrada ou acompanhamento.
  • Mici: um croquete de carne bastante consumido, que lembra muito o kafta árabe.
  • Ciorba: os romenos adoram comer sopas como entrada nas refeições, mesmo no verão.
  • Kurtos: um pãozinho doce com forma cilíndrica bastante comum na região da Transilvânia, ele costuma ser servido polvilhado em açúcar e/ou canela.

E a saúde? Dá para confiar?

Olha a resposta difícil aí.

Dá. Mas também não dá. 🤨

A questão é que você precisa fazer um seguro saúde antes da sua viagem. Ele vai te proteger em caso de doenças, acidentes e até se as suas malas forem extraviadas.

Barajul Drăgan-Floroiu, Lunca Vişagului. Foto: paul mocan

Fora isso, a rede pública de saúde é bastante deficiente. Os hospitais privados, no entanto, tem qualidade semelhante aos brasileiros e, em grandes cidades, é possível encontrar médicos que falam inglês, francês ou espanhol.

Clima na Romênia

A Romênia fica localizada em um território que leva suas quatro estações muito a sério e é bom estar preparado para isso.

Durante o inverno (meses de dezembro a março), as temperaturas caem abaixo de zero com frequência, há neve em diversas regiões e, com um pouco de sorte (ou seria azar?), você pode pegar termômetros marcando  -10 °C.

No verão (de junho a setembro), o clima é seco e quente, passando com frequência de 30 °C. As chuvas são raras, fazendo com que as ruas estejam sempre com gente – nessa época, é comum ver feiras comercializando alimentos a céu aberto.

Castelo de Peleș, na Romênia. Foto: Majkl Velner

O outono e a primavera são as melhores épocas para viajar pela Romênia, visto que as temperaturas são mais amenas. Nesse período, existe uma maior probabilidade de chuvas, mas elas costumam ser leves e não deverão atrapalhar a programação da viagem.

Pesquise sua passagem aérea para a Romênia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *