Se você gosta de viajar em ficar hospedada em hostels, as chances de adorar o PodShare são grandes! Esse serviço online é carinhosamente chamado de “AirBnb de camas” e faz muito sucesso fora do Brasil, principalmente nos Estados Unidos.

O PodShare nada mais é do que um site no qual você pode reservar uma cama de beliche em quartos compartilhados para passar uma ou mais noites. Até aí tudo igual a um hostel, certo? A diferença é que os albergues listados no PodShare não são encontrados em outros sites de hospedagem e as chances de pagar menos nas diárias ficando em um deles também é maior.

Você viveria num pod?

podshare
Foto: divulgação / Podshare

Apesar de ter caído no gosto de viajantes que gostam da vibe dos albergues, o foco dos usuários do PodShare é encontrar “pods” para viver durante determinado tempo em uma cidade — seguindo bem a filosofia dos nômades digitais, que vivem um pouquinho em cada cidade, trabalhando remotamente e dessa forma desbravando o mundo.

E todo mundo sabe que os custos com moradia, especialmente nos Estados Unidos, são bem altos. Esse movimento de trocar o aluguel de uma casa para locar apenas uma cama em quartos comunitários vem ganhando força entre jovens executivos de São Francisco e Los Angeles. Afinal de contas, fica muito mais barato ter só uma cama para dormir do que uma casa inteira que fica fechada na maior parte do tempo, gerando despesas.

Para você ter ideia, a Califórnia possui 3,5 milhões a menos de casas do que realmente precisa para atender a sua população. Além disso, ter seu próprio apartamento em Los Angeles custa em média US$ 2.384 por mês e em San Francisco US$ 3.612/mês com aluguel.

Isso sem contar nos adiantamentos que muitas imobiliárias solicitam, taxas contratuais, comprovante de emprego, custos fixos de fornecimento de serviços públicos entre outros! Não é de se admirar que 1 em cada 3 moradores de Los Angeles gasta mais de 50% da renda apenas em moradia.

Por conta disso, essa filosofia do aluguel de camas está virando febre nessas cidades, fazendo com que os “pods” realmente sejam os casulos e lar para muitas pessoas desapegadas a bens materiais. Olha que gracinha que são algumas opções:

podshare
Foto: divulgação / Podshare
Foto: divulgação / Podshare
Foto: divulgação / Podshare

Se botar na ponta do lápis, um morador vai gastar US$ 120 – US$ 160 por noite em um hotel ou AirBnb. Se encontrar um albergue barato, é bem possível que possa ficar no máximo de 14 a 28 noites, limitações que não existem para quem aluga uma cama no PodShare.

Segundo Elvina Beck, fundadora do site, “a geração de millennials sonha acordada com as viagens que podem realizar durante sua vida. Eles concordam em não possuir ‘coisas’ se isso significa possuir ‘experiências’ – e estão dispostos a abrir mão da privacidade pelo preço e local certos”.

Regrinha do PodShare

podshare
Foto: divulgação / Podshare

Ao procurar uma cama para locar no PodShare, tenha em mente que você só conseguirá escolher apenas dois itens dessa lista:

Privacidade vs. Custo vs. Bairro

  • Você paga o preço mais alto pela privacidade em um ótimo bairro;
  • Você paga o preço mais baixo por não ter privacidade em um bairro menos procurado;
  • Você paga um preço intermediário por não ter privacidade em um ótimo bairro.

Assim, muita gente abre mão da privacidade para ficar em regiões bem localizadas, pagando menos de US$ 35 por noite para ficar por tempo indeterminado pertinho de tudo. Com isso, os benefícios da convivência com outras pessoas são grandes e todo mundo aprende a importância do compartilhamento e coabitação.

Seguro e confortável

Foto: divulgação / Podshare

Ter residência fixa, mas só uma cama para “morar” não significa que sua vida seja complicada. Muito pelo contrário! Por ser um ambiente comunitário, viver em um pod garante que os hóspedes interajam com mais pessoas todos os dias, tornando-se uma grande família.

As locações mensais de uma cama pelo PodShare custam em média US$ 1.000 por mês. Esse valor garante uma cama, um armário para guardar seus pertences, acesso ao Wi-Fi e banheiro compartilhado com os demais moradores. A segurança é garantida, além de regras de convivência bem estabelecidas para ninguém incomodar o coleguinha.

Elvina Beck ainda reforça: “No momento, viajar é sinônimo de férias, mas achamos que isso pode ser um estilo de vida. More onde você trabalha, viaje para ganhar a vida, chame o pod de sua casa, construa uma comunidade em constante expansão que abrange todo o planeta, desafie seus preconceitos, quebre estereótipos, encontre conforto no desconforto, mas faça tudo por uma taxa acessível”.

E você, moraria em uma casa compartilhada, tendo uma caminha para chamar de sua?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *