Que tal passar as férias em um lugar com paisagens incríveis, conhecendo cavernas e cachoeiras de tirar o fôlego? O PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira) localizado no estado de São Paulo quase divisa com o Paraná, tem tudo isso! Ele é considerado uma das Unidades de Conservação mais importantes do mundo. Abriga mais de 300 cavernas, sendo 12 delas abertas ao público, além de muitas cachoeiras. É um patrimônio da humanidade, reconhecido pela UNESCO.

PETAR – Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira

O PETAR fica a 340 km de São Paulo e a 185 km de Curitiba entre as cidades de Apiaí e Iporanga. Com fácil acesso, é uma boa pedida para quem quer conhecer lugares lindos em meio à natureza! São 12 cavernas para visitação, divididas em 4 núcleos: Santana, Ouro Grosso, Caboclos e Casa da Pedra.  Cada caverna é diferente da outra e seus acessos variam; algumas são de trilha fácil como a Santana, Morro Preto, Couto, Ouro Grosso e Alambari de Baixo. Já outras precisam de trilhas, algumas mais tranquilas como a Água Suja e Cafezal e outras mais puxadas como a Teminina e a Casa de Pedra.

Mirante no PETAR

Nós passamos um final de semana por lá a convite do Glamping Mangarito, e vamos contar tudo para vocês!

Como chegar

Para quem está vindo da cidade de São Paulo há duas opções: uma seguindo pela Rodovia Régis Bittencourt e outra, pela Castelo Branco.

De Curitiba são 3 opções: Por Jacupiranga (que foi a que optamos), por Barra do Turvo e por Ribeira. Como saímos de Curitiba às 18h, pegamos a estrada por Jacupiranga que é a mais longa, porém a condição da estrada é melhor. As estradas por Ribeira ou por Barra do Turvo são cheias de curvas e com trechos de terra (principalmente a da Ribeira).

A melhor maneira de ir para o PETAR é de carro, pois para as atrações ele será necessário. Mas se você não tiver, pode ir de ônibus.

Para ônibus: comprar passagem para Apiaí (cidade próxima do PETAR), e de lá pegar um ônibus para Iporanga, descendo no Bairro da Serra (onde ficam as hospedagens para quem vai visitar o PETAR). Esse ônibus sai 3x na semana de Apiaí, então fique de olho nos dias e horários, quem faz o trajeto é a Princesa dos Campos. Também é possível pegar um táxi da rodoviária de Apiaí até o Bairro da Serra.

Como é necessário carro para acessar alguns núcleos, se você for de ônibus, converse com a sua agência/guia ou pousada para saber como pode ser feito.

Para maiores informações, você pode acessar o site do PETAR.

Hospedagem

Existem diversas opções de hospedagem no Bairro da Serra, para todos os gostos e bolsos! São opções de camping para os mais aventureiros e pousadas de R$50 até R$300 a diária. A recomendação é ficar mesmo no Bairro da Serra onde o acesso para os principais núcleos é fácil. Além do café da manhã, muitas pousadas oferecem a janta já que há poucas opções de alimentação no bairro (e geralmente abrem apenas aos finais de semana).

Bangalô do Glamping Mangarito

A deliciosa jacuzzi do Mangarito

Nós nos hospedamos no Glamping Mangarito, uma hospedagem maravilhosa e com ótima localização. Na diária estão inclusos café da manhã e lanche da tarde além da maravilhosa jacuzzi (uma mão na roda para relaxar após as caminhadas). Ficamos no quarto Caboclo que é uma acomodação normal e no Bangalô em meio à floresta. Os quartos contam com frigobar, ar condicionado, TV à cabo e internet.

No Mangarito há também um restaurante que abre para a janta aos finais de semana e recebe o público externo. Para quem está no glamping e quer jantar por lá durante a semana, é possível fazer o pedido do prato no café da manhã (pago a parte), assim de noite ele está prontinho para quando você voltar dos passeios.

Para mais opções de hospedagem, acesse o site do PETAR.

Alimentação

Como mencionamos acima, a maioria das pousadas oferecem a janta pois as opções são poucas no Bairro da Serra,  algumas é necessário o agendamento -confirme com a sua hospedagem-.

Restaurante Mangarito

Há o restaurante do Mangarito e um trailer de lanches que abrem os finais de semana. A Pastelaria da Zeni fica ao lado do Mangarito e abre por mais dias e horários. Também há 2 pequenos mercados no Bairro.

Para a janta também existe a opção da Pousada do Abílio que atende o público externo todos os dias sem agendamento.

Guias

É necessário a contratação de guias para entrar nos Núcleos e conhecer as cavernas. Você pode contratar um guia autônomo ou um de agência. A vantagem da agência é que é um “pacote” que inclui o guia, a entrada no Núcleo, capacete com lanterna e seguro. Os valores variam de acordo com o número de pessoas e de dias que você irá ficar, mas fica em torno de R$150 por dia para um grupo de até 8 pessoas (que é o máximo que pode ser acompanhado por 1 guia).

Nós fizemos nossos passeios com a Parque Aventuras e recomendamos. A agência foi fundada pelos filhos dos guias mais antigos do PETAR que descobriram diversas cavernas por lá.

O que fazer

Você pode visitar 12 cavernas no PETAR e mais algumas cachoeiras. Para montar o seu roteiro, você precisa estudar quantos dias pretende ficar e qual é o seu condicionamento físico pois algumas cavernas requerem uma caminhada de 2h (apenas para chegar!).  Para saber mais sobre cada caverna e a dificuldade de acesso, confira o site do PETAR.

Piscina natural do Núcleo Santana

Nós chegamos 5a feira pela noite então fizemos passeios na 6a, sábado e domingo. Visitamos no primeiro dia as cavernas: Santana, Morro Preto e Couto de fácil acesso e fomos até o mirante mais alto do PETAR. No segundo dia fizemos um trekking de quase 7km para conhecer as cavernas Cafezal e Água Suja, além das cachoeiras Andorinha e Beija-flor (essas estão no final da trilha, as cavernas ficam antes).

Caverna de Santana

Caverna do Morro Preto

Caverna do Couto

Trilha do Betari

Caverna Cafezal

Cachoeira Andorinhas

Cachoeira Beija-Flor

Caverna Água Suja

No 3o dia fizemos a caverna Ouro Grosso e o boia cross, também de fácil acesso. Estava previsto ainda a caverna Alambari de Baixo que optamos por não fazer para dar tempo de irmos para outras atrações fora do PETAR que ficam no caminho de volta: Caverna do Diabo e Cachoeira do Meu Deus.

Boia cross

Caverna do Diabo

Cachoeira do Meu Deus

É importante contratar o guia com antecedência e assim combinar com ele o que será feito. Como o fluxo de pessoas não é muito grande (tirando feriados), o guia fica particular 🙂

É um lugar com muitas atividades e muita beleza natural! É viável para crianças, vimos algumas até fazendo o trekking do nosso segundo dia que foi mais puxado. Para pessoas portadoras de deficiência, é necessário conversar com o guia, não é possível o acesso nas cavernas para quem utiliza cadeira de rodas.

Nossas dicas

Considere o PETAR como um destino de férias mesmo, para fazer tudo com calma e de preferência durante a semana quando há poucas pessoas. Evite feriados e férias escolares que é quando o fluxo de visitantes fica maior.

É possível fazer umas 5 cavernas num final de semana, chegue no PETAR 6a à noite, assim você acorda cedinho no sábado para curtir as atrações. Os núcleos abrem às 8h e fecham 17h.

Leve roupas e sapatos para molhar e sujar pois é inevitável 🙂 Também precisam ser confortáveis para as caminhadas.

O almoço é feito nas atrações, pois você sai logo cedo e fica o dia inteiro curtindo as cavernas e cachoeiras, então leve lanches! É muito comum as pessoas fazerem um sanduíche com o café da manhã da pousada. Nas atrações não há nada para comer. Também leve água para os passeios 🙂

Abasteça o carro antes, pois no Bairro da Serra não há postos.

Faça o seu kit médico pois não há farmácia perto!

Leve toalha de banho para se secar depois de algumas atrações.

O capacete oferecido tem lanterna mas você pode levar mais, de preferência lanternas que fiquem presas ao corpo pois você irá utilizar muito a mão como apoio.

Quanto custa

Entrada nos Núcleos: R$15 por pessoa e por cada vez que entrar

Entrada Caverna do Diabo: R$30 por pessoa (R$15 entrada e R$15 guia obrigatório)

Cachoeira do Meu Deus: R$15 por pessoa

Guia: em média R$150/dia

Alimentação: geralmente inclusa no valor da hospedagem. Há pizzas e pratos nos finais de semana no Magarito por uma média de R$35 (pizzas 8 pedaços, pratos individuais mas bem servidos).  Pastel: R$5.

Hospedagem: de R$20 até R$300/dia

Confira mais sobre essa aventura no stories do nosso Instagram (Destaques PETAR e PETAR 2)

Gostaríamos de agradecer ao Júnior do PETAR e às equipes do Mangarito e da Parque Aventuras por esse final de semana incrível que passamos por lá! O PETAR sem dúvidas é um lugar muito bonito que deve estar no roteiro de todo viajante que ama curtir a natureza, belas paisagens e um pouco de aventura 🙂  As fotos (e futuramente o vídeo que iremos publicar) apenas passam a ideia da beleza do lugar mas não conseguem transmitir de fato a imensidão das cavernas e cachoeiras, então… Pé na estrada e partiu conhecer de perto esse paraíso chamado PETAR!