A cultura oriental é um traço marcante no Parque Maeda, em Itu, a cerca de 100 km de São Paulo. É lá que fica o maior jardim japonês do país, além de várias opções de lazer para toda a família se divertir.

A família Maeda começou como produtora de tomates em meados de 1998. Os tanques destinados à pesca esportiva com os amigos acabaram se tornando um pesqueiro aberto ao público, que se tornou referência no estado por ter espécies de até 20 kg. Este foi o pontapé inicial para dar início a implantação de outros atrativos que pudessem tornar o parque uma opção de entretenimento durante as férias, feriados e finais de semana.

Parque Maeda

Bem estruturado, o Parque Maeda oferece piscinas com toboágua, pedalinho, Quadriciclo, teleférico, carruagem, cavalo, pônei, boia motorizada e trenzinho. As crianças mais corajosas têm um gás de adrenalina durante o circuito de arvorismo e tirolesa.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

O parque aquático faz sucesso nos dias quentes, comportando aproximadamente 4.000 pessoas em piscinas para crianças e adultos. Os percursos dos teleféricos, de 460 e 600 metros de extensão, passam por acima da água e no meio das árvores.

No projeto paisagístico se destacam os bonsais, a ponte japonesa, espelhos d’água com carpas orientais e cascatas distribuídos em mais de 25 mil m² de área. Com tamanha beleza, não por acaso é o local mais fotografado do complexo turístico. 

Foto: divulgação
Foto: divulgação
Foto: divulgação

Outro ponto que vale o destaque é a árvore gigante, um conjunto de três árvores centenárias que chama a atenção pela dimensão de sua copa. É nela que ficam alguns mirantes, acessados por meio de escadas construídas no tronco, que vão subindo até chegar a 22 metros acima do chão, equivalente a um edifício de 7 andares.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Uma das praticidades do parque é a opção de hospedagem. A pousada local oferece três tipos de acomodação: chalé para casal, chalé para família de até sete pessoas e apartamento. São simples, porém equipadas com tv, ar condicionado, frigobar, banheiro, roupas de cama e banho.

O custo-benefício vale a pena. Paga-se R$ 700,00 em duas diárias para duas pessoas, com estacionamento, buffet de café da manhã, almoço, jantar, piscina privativa, campo de futebol, pesca esportiva e caminhada com guia inclusos. As demais atividades devem ser pagas a parte.

Os sabores da gastronomia japonesa podem ser apreciados no restaurante, que oferece um cardápio variado de pratos quentes, frios, carnes, saladas e massas, servidos em buffet self service.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Frutas orgânicas à vontade e rodízio de morango

Cultivadas sem uso de agrotóxicos, as plantações frutíferas também podem ser visitadas em passeios. Cada uma tem um determinado período de colheita. Confira os detalhes abaixo.

Lichia: a fazenda conta com centenas de pés da fruta exótica de origem chinesa. Durante a colheita, entre o final de dezembro e o início de janeiro, é possível colher e degustar.

Jabuticaba: a mais recente empreitada dos Maeda é o cultivo de mais de 500 jabuticabeiras, espécie 100% brasileira, oriunda da Mata Atlântica. A degustação, direto do pé, também é à vontade. O período de colheita é de agosto e setembro, sendo apenas uma safra por ano.

Foto: divulgação

Morango: a estufa de morangos conta com mais de 20.000 mudas em 3.000 metros quadrados. Para construí-la, o parque se inspirou nos ichigo gari, famosos rodízios de morango do Japão, na qual os visitantes pagam um valor fixo para comer o quanto aguentarem. A colheita, que chega a gerar 2 toneladas de fruta, está sujeita à disponibilidade do dia.

Foto: divulgação

Quanto custa ir ao Parque Maeda

Os valores de acesso ao parque são diferentes para cada pessoa, pois varia de acordo com a quantidade de atividades a serem feitas. Porém, neste período de pandemia do coronavírus, o Maeda está com funcionamento reduzido, propondo apenas três pacotes.

Confira os preços atuais abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *