Sabia que existe um pedacinho do Tibete na maior capital do Brasil? É no Odsal Ling, templo budista em São Paulo, que a gente se encanta com os ricos detalhes e inúmeras cores da arquitetura tibetana, muito presente no Himalaia. A 40 minutos da região central da metrópole você encontra uma paz que, talvez, não sentia há muito tempo.

O Templo Odsal Ling fica numa parte alta de Cotia, município que integra a microrregião de Itapecerica da Serra. Ocupando um terreno de 15 mil m² rodeado por vegetação, chamado de Refúgio, o lugar foi erguido para repassar os ensinamentos de Chagdud Rinpoche, nascido no Tibete Oriental e responsável por trazer a linhagem do budismo vajrayana para o Brasil, construindo a primeira unidade no Rio Grande do Sul, o Templo Três Coroas.

É oferecido aos visitantes um tour gratuito pelas instalações, sem a necessidade de agendamento. Após as breves explicações, o público pode circular livremente.

Templo budista em São Paulo nos transporta para a Ásia – Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Um tom de vermelho bem forte pinta as fachadas, mas quanto mais perto você chega, mais enche os olhos de deslumbramento. Existem inúmeros símbolos budistas pintados à mão, por monges vindos do Nepal, Butão e Tibete. Um deles é a flor de lótus, que representa a verdadeira natureza dos seres. Também se reconhece mais facilmente o nó infinito, que na simbologia budista revela dependência e inter-relação entre todos os fenômenos, numa espécie de causa e efeito.

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Para além das fachadas, os pequenos caprichos aparecem muito mais marcantes e volumosos na parte interna do templo, onde são proibidas fotografias, por ser a sala de meditação e ensino. E como é magnífico lá dentro! Fotos não fariam jus à riqueza que é ver o teto inteiramente pintado à mão, incontáveis detalhes imersos numa explosão de cores vívidas.

Os tons vibrantes não estão ali à toa. Representam os cincos elementos que formam o mundo material: água, fogo, terra, madeira e metal. Na parte de dentro há várias estátuas das divindades do budismo tibetano, como Garuda e Vajratara, além de um enorme Buda, dourado, ao centro.

Lindos detalhes compõem o templo Budista em São Paulo – Foto: divulgação/Odsal Ling
Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Na parte externa do templo budista em São Paulo podemos ver um grande Buda deitado, além de várias bandeiras com mantras hasteadas, que dançam com o vento para receber e transmitir paz. A posição da estátua mostra que, embora este sejamos seres superiores, somos impermanentes. Aprender a lidar com o fato de que somos passageiros é um dos grandes ensinamentos budistas.

Ao lado do edifício principal há duas pequenas salas onde ficam as rodas da oração. Há uma para o bem e outra para o mal, os venenos da alma, pois ambos existem e precisam de equilíbrio. Há uma luta constante entre as energias, que exige sabedoria. Dentro delas foram colocados mantras que são espalhadas pelo mundo a partir do momento em o visitante as gira em sentido horário. Um sino toca a cada volta.

Conheça outros templos budistas no Brasil!

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV
Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Descendo as escadas você encontra a casa das lamparinas, onde há uma porção de velas acesas, diariamente. Qualquer pessoa pode pedir, por R$ 2,50, para acender uma vela a você mesma, um ente querido ou uma causa. As lamparinas têm a função de iluminar os caminhos e nos livrar da escuridão da ignorância.

Mais abaixo está o pavilhão de meditações, o refeitório e a loja Mantra, que vende produtos relacionados ao budismo tibetano, como livros, bandeiras, placas decorativas, entre outros. Consulte com antecedência se haverá almoço no refeitório, servido sempre aos domingos, pois é necessário reservar um lugar. Custa R$ 30,00 e come-se à vontade no buffet de opções carnívoras, vegetarianas e veganas.

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

O templo Odsal Ling conta com uma extensa programação de retiros, práticas, ensinamentos e cerimônias. A visitação acontece aos sábados, domingos e feriados das 10h às 16h, mas o horário pode mudar por conta dos retiros, então sempre ligue antes para confirmar e não perder viagem. O local não é pet friendly, portanto, deixe seu animalzinho em casa.

Quem tiver interesse nos retiros, pode se hospedar dentro das instalações do templo, em um edifício construído só para receber os alunos. Consulte maiores informações no site oficial.

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV
Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Quanto custa

A visitação no templo budista em São Paulo é gratuita e aberta ao público. Leve dinheiro em espécie para pedir orações ou fazer alguma doação ao centro de práticas. Aulas de meditação e palestras para iniciantes são isentas de taxas, assim como o estacionamento. Apenas os retiros são pagos.

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

Como chegar

Não estranhe se, ao chegar, encontrar os portões fechados. Assim eles permanecem. Basta tocar o interfone e entrar com o carro. Para quem vai a partir de São Paulo capital, siga pela rodovia Raposo Tavares, até o endereço: Rua dos Agrimensores 1461 – Cotia.

Não há linhas de ônibus que cheguem até a porta. É necessário embarcar rumo a Cotia ou Embu das Artes, que fica perto de lá, descer no km 24 e pegar um táxi ou uber até o templo.

E se você não mora na metrópole: partiu, São Paulo! Consulte os melhores preços de passagens aéreas, aluguel de carro, hospedagem e muito mais!

Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV
Foto: Brunella Nunes/Equipe QCV

O primeiro mosteiro zen-budista da América Latina fica no Brasil

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *