Na divisa de São Paulo com Minas Gerais está um lugar bem peculiar, conhecido como a capital do lobisomem. Além de estar rodeada de certo folclore, a Estância Turística de Joanópolis é um playground para aventureiros, que desbravam cachoeiras, montanhas e mirantes. Confira na matéria dicas do que fazer em Joanópolis.

A lenda de um homem-lobo circulando pela cidade a 130 km de São Paulo já virou passado, embora ainda seja referência simbólica da cultura popular brasileira enraizada no interior. Ao longo do tempo, porém, Joanópolis foi ganhando fama devido aos atrativos naturais, à arquitetura colonial que resistiu à modernização e a Festa Junina, evento principal da região. 

A “Joia da Mantiqueira”, chamada carinhosamente de “Joá”, mantém em seu território a maior queda d’água do estado, a Cachoeira dos Pretos, que tem 154 metros de altitude e faz parte da porção de Mata Atlântica preservada. Mas este e outros atrativos turísticos você descobre no resumo abaixo!

Foto: Prefeitura de Joanópolis

 O que fazer em Joanópolis

  • Pedra do Carmo: a 1.900 metros de altitude, o pico na divisa com Piracaia (SP) tem acesso mais complicado porque requer autorização do proprietário do terreno onde se encontra. A caminhada de duas horas em trechos íngremes requer preparo físico e guia acompanhando, mas o esforço é recompensado com o visual para o Vale do Paraíba e Monte Verde (MG). 
  • Pico do Lopo: uma das principais formações da Serra do Lopo é o monte de 1.725 metros de altitude, que ganhou o apelido de “gigante adormecido” devido à semelhança de seu contorno com a de um homem deitado. O presente pós caminhada é uma vista 360º linda da Represa do Jaguari e dos municípios vizinhos como Extrema (MG) e Piracaia (SP). 
Foto: Wikipedia
  • Pedra das Flores: o marco divisório entre terras paulistas e mineiras é também um dos principais atrativos da região. Com nível de dificuldade moderado, a trilha de acesso pode requerer a presença de um guia, a depender da experiência do turista. Tem um belíssimo nascer do sol, além de vista para a represa do Jaguari. 
  • Cachoeira dos Pretos: a principal queda d’água de Joá tem 154 metros de altura, formando piscinas naturais e com espaço ideal para a prática de esportes radicais. Os turistas aproveitam de boa infraestrutura local para passar o dia 
  • Cachoeira dos Pires: um tanto fora da rota, a cachoeira dos Pires é um tanto democrática. Além de ter visitação livre, possui diversas quedas e piscinas naturais de profundidade variada, com trechos de sombra e sol, garantindo que todos os públicos se divirtam em segurança. Conta ainda com estacionamento. 
Foto: Prefeitura de Joanópolis
  • Cachoeira Encantada: localizada dentro do Camping Encantado, a cachoeira com uma pequena queda é tranquila e possui fácil acesso por uma estrada asfaltada. Pouco conhecida, costuma ter mais privacidade do que as demais. 
  • Cachoeira Escondida: com quedas e piscina natural pouco profunda, a cachoeira próxima à dos Pretos fica dentro de uma propriedade particular e requer aviso prévio. O local conta com estacionamento. 
Foto: Caio Buni
  • Represa dos Rios Jaguari e Jacareí: de uma beleza ímpar, a represa com 50 km² é um dos símbolos do município. Integrando o Sistema Cantareira, possui uma das águas de melhor qualidade do país, além de reunir atividades de lazer para toda a família. É liberada a prática de esportes náuticos como stand-up paddle, wake-board, ski, vela, jet ski, windsurf e passeios de lancha. Quem não levar um lanchinho pode comer nas pousadas dos arredores. 
Foto: Prefeitura de Joanópolis

Fora da rota

Casa Dejoá: o cantinho aconchegante na beira da estrada faz parte dos passeios gastronômicos da cidade. Antes focada apenas na entrega de cestas de orgânicos e produtos artesanais, agora a marca tem espaço físico dedicado servir comida de qualidade e petiscos oriundos de mais de 30 produtores regionais. 

Foto: divulgação

Capril do Bosque: com foco em turismo rural, a propriedade com criação de cabras produz queijos premiados e diferenciados, daqueles para se deliciar sem pressa. Conta com um bistrô e com um tour completo, que aproxima os visitantes de todo o processo queijeiro. 

Foto: divulgação

Pitayas: a pequena propriedade rural cultiva frutas e hortaliças orgânicas, mas também oferece turismo de experiência, jantares e hospedagem. O público pode visitar a a horta e o pomar de figos, pêssegos e blackberries; degustar os produtos feitos no local; participar de caminhadas e observação de pássaros; e conhecer uma cachoeira próxima. 

Foto: divulgação

Bubble Experience: uma das grandes novidades de Joá é a hospedagem em formato de bolha transparente. A experiência diferenciada oferece cromoterapia, banheira com aquecimento, hidromassagem, churrasqueira, vista para o céu estrelado e para a represa. 

Foto: divulgação

Altar: outra opção inusitada para passar uns dias é a casa flutuante na represa, que garante privacidade, sossego e lazer ao mesmo tempo. Com design moderno e decoração minimalista, abriga até quatro hóspedes.

Foto: divulgação/Altar BR

Trailer Camarim: e que tal passar a noite em um trailer? Também às margens da represa, o trailer no estilo anos 1970 tem estrutura suficiente para oferecer conforto, contando com cozinha, banheiro, quarto e deck com mesa ao ar livre e vista encantadora. 

Foto: divulgação

Onde ficar

Foto: divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *