O Brasil Colônia ainda se mantém vivo em muitas regiões do país, trazendo à tona as nossas origens. As cidades históricas de Minas Gerais precisam estar inclusas no roteiro de quem deseja redescobrir as raízes brasileiras por meio da arquitetura, da arte e das tradições. Bora colocar o pé na estrada?

Planejar uma road trip, ou viagem de carro, por terras mineiras é uma tarefa fácil, a começar pela chamada Rota da Estrada Real, que tem um site ótimo, cheio de informações, dicas e os melhores itinerários a se percorrer de acordo com seus interesses.

Além de conhecer imponentes igrejas com detalhes em ouro e arte barroca, casarões, museus e ruas que revelam este legado colonial, aproveite a hospitalidade dos mineiros para ouvir boas histórias e degustar delícias que só eles sabem fazer. Prepare-se para uma inesquecível viagem no tempo:

Sabará

Dentro da região metropolitana de Belo Horizonte, a cidade é um forte símbolo histórico e cultural, envolvida dentro do ciclo do ouro. Marcada pela arquitetura colonial, é rica em obras de Aleijadinho, casarões e igrejas. Entre os eventos anuais, vale a pena descobrir as delícias do Festival da Jabuticaba, da Festa Junina e da Festa da Cachaça.

Sabará

Santa Bárbara

Com boa infraestrutura, a cidade é dona de obras arquitetônicas de grande valor, como a Matriz de Santo Antônio, que é uma das melhores representantes do barroco mineiro, além de outros edifícios históricos que se iniciam no século 18. Também se destaca pelos recursos naturais, incluindo trilhas, cachoeiras, grutas, picos e observação de lobos-guarás.

Santa-Bárbara-1024x768

Mariana

Considerada a origem de Minas, a primeira vila, capital e cidade do estado, Mariana hoje sofre com o descaso público e privado após um desastre ambiental “patrocinado” pela Samarco. Na esperança de que retorne às origens, tem um potencial turístico e histórico valioso que se observa nos casarões, igrejas, praças e ruas. Marcada por tradições religiosas, pela arte barroca e pelo Circuito do Ouro, tem como grande atração a Mina da Passagem, que falamos mais aqui.

Mariana-mg

Ouro Preto – MG

Com o maior conjunto arquitetônico barroco do país, que a tornou Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto é uma excelente oportunidade de conhecer as raízes históricas do Brasil. Formada por ladeiras de pedra, casarios coloniais, feiras de artesanato, ateliês e programação cultural extensa, tem obras importantes de Aleijadinho e mestre Ataíde.

Ouro-Preto-MG

Congonhas

Com um conjunto de 12 esculturas de pedra sabão elaboradas por Aleijadinho e consideradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Congonhas se consagra na rota turística histórica. Andar por suas ruas de pedra é observar de perto a arquitetura colonial das igrejas e demais edifícios.

Congonhas

Tiradentes

Uma das cidades mais importantes do estado, Tiradentes consegue reunir todos os elementos que representam Minas Gerais, através de sua história, cultura, arte e culinária. Local onde encontra-se um dos mais belos acervos barrocos do país e as lembranças da época da Inconfidência Mineira. Além disso, é possível embarcar em passeios de charrete e Maria Fumaça, que leva os turistas para o destino abaixo.

Tiradentes

São João del Rei

Esta é uma das cidades históricas mais importantes de Minas, com belos casarões coloniais e igrejas imponentes que tocam músicas barrocas durante suas missas dominicais. Marcada pela Inconfidência Mineira e o Ciclo do Ouro, é o berço de Tirandentes e Tancredo Neves, que viveu no Solar dos Neves, onde a família permanece até hoje.

São-João-Del-Rei

Brumadinho

Conhecida mundialmente pelo Museu de Arte Contemporânea Inhotim, Brumadinho também se inclui no roteiro da Estrada Real. Isso porque seu legado histórico inclui antigas fazendas, pequenos povoados e uma grande comunidade negra que ali se formou após a libertação da escravatura, o Quilompo do Sapé.

Brumadinho-Quilombo

Diamantina

A arte e a arquitetura barroca também aparecem em peso em Diamantina, onde nasceram figuras históricas importantes como Chica da Silva e Juscelino Kubitscheck. O centro histórico tombado, com ruas de pedras iluminadas por lampião, recebe eventos animados, como festivais de música e um célebre Carnaval.

Diamantina

Lavras Novas

Pouca gente conhece este distrito de Ouro Preto, mas deveria. Charmoso, o vilarejo de pouco mais de 1.500 habitantes é rodeado de montanhas e casinhas coloniais coloridas. Pelas ruas permeiam lendas e folclores, além de pousadas, restaurantes e bares. Vale a pena aproveitar também suas belezas naturais, formadas por cachoeiras, serras, mirantes e o Parque Estadual do Itacolomi.

Lavras-Novas

Caeté

Um passeio rápido pela sossegada Caeté, a apenas 50 km de Belo Horizonte, revela seu grande legado histórico: a matriz da Nossa Senhora do Bom Sucesso. Do alto da Serra da Piedade, onde há um santuário católico, se observam eventos astronômicos que são alvo do observatório da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Caeté

Serro

Esta foi a primeira cidade brasileira tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938. Não por acaso, tem um rico acervo de arquitetura colonial, com destaque para os templos ornamentados e as pinturas de forros dos monumentos religiosos. Com este apelo, não poderia deixar de sediar tradicionais festas religiosas e folclóricas.

Serro-MG

Catas Altas

Aos pés da Serra do Caraça, a cidade fez parte do Ciclo do Ouro e mantém suas raízes históricas que se refletem na arquitetura colonial de igrejas e casarões. Dona de uma simplicidade única, até hoje tem como principal atividade econômica a mineração, no caso, de ferro. Por estar ao lado de uma reserva natural, também é um bom destino para quem procura por aventura em cachoeiras e picos que chegam a 2.046 metros de altura.

Catas-Altas

Fotos: divulgação/Turismo Mineiro