Estar numa cidade grande é saber lidar com as altas temperaturas sem, nem sempre, ter uma praia por perto. E se não está dando para escapar, não se preocupe, porque é possível abraçar o calor em meio a paisagem urbana. Eis aqui 13 lugares para curtir o Verão em São Paulo, porque ele também chega na metrópole.

Pitico

Pensa num lugar agradável. O Pitico é um bar que, pelo simples fato de estar a céu aberto e com cadeirinhas de praia, já ganhou o coração de muita gente. O aconchego é tanto, que dá para ficar horas ali, jogando conversa fora, bebendo e observando o movimento. O gastrobar se formou por um conjunto de contêineres num antigo estacionamento, de onde saem comidinhas libanesas bem preparadas e cervejas artesanais. Há apresentações musicais para animar a galera em dias ensolarados.

Minhocão

O que era um micão virou um parque de respeito. O Minhocão já foi motivo de ódio para os moradores dos edifícios da região da Santa Cecília, que simplesmente tiveram de lidar com a construção de um viaduto ao lado de suas janelas. O tempo passou, muitos deles saíram e outros chegaram, mas agora com o intuito de ocupá-lo.

Assim nasceram planos ambiciosos de transformá-lo num parque linear, semelhante ao High Line em NY, e mesmo sem o compromisso do Poder Público, o local aos poucos vai ganhando forma. Aos finais de semana, é fechado para os carros (sáb., dom. e feriados após as 15h) e dominado por pessoas felizes, saudáveis e manifestações artísticas. É a cara da cidade é um dos melhores lugares para aprecia-la.

Sesc

Verdade seja dita: o Sesc é uma mãe. E em São Paulo, parece que precisamos de seus afagos desesperadamente. Quem é sócio, aproveita tudo; quem não é, reclama, mas não sai de lá. Há opções em varias regiões de São Paulo, com áreas e programação aberta ao público em geral.

O recém-inaugurado Sesc 24 de maio é um alívio para o calorão: tem uma piscina enorme em seu topo e, para os mortais, uma pequena piscina para molhar os pés e observar os prédios antigos do Centro. No Sesc Ipiranga tem um solário onde a galera se reúne para pegar um bronze. E ah! Tem um sorvete de iogurte gostosinho por R$ 3,00.

Sorveterias

Não faltam opções de sorveterias em SP, para todos os gostos e bolsos. Os gelatos mais famosos da cidade saem da Bacio di Latte, que tem pipocado novas unidades em cada esquina e também em shoppings. Há ainda os extravagantes sorvetes da Dona Nuvem, super enfeitados para fotos do Instagram; os sorvetes veganos da Stuzzi e da Alfreddo Vegani; o sorvete “na chapa” da rede americana Cold Stone; e ainda o sorvete tailandês, feito na hora com ingredientes naturais e servido em formato de rolinhos, da loja A Tropicana.

Porém, se quer tomar um sorvete de massa realmente inesquecível, eu indico apenas um lugar: a Damp. Inaugurada em meados de 1970, a loja de fabricação própria se destaca por seus sabores exóticos, como capim santo, lavanda e água de rosas. A textura e o sabor são únicos.

Foto: Brunella Nunes

Lar Mar

O novo point hype da cidade traz um pedacinho de praia pra cá: o quintal é de areia. Misto de bar, coworking e loja, o local em Pinheiros trouxe 16 toneladas de areia do litoral para compor seu cenário. O espaço multiuso se destaca pela programação, que reúne música e uma galera bonita. Antes, o dono fazia festas no Litoral Norte, reunindo até mil pessoas. Talvez isso justifique a muvuca que chega por lá aos finais de semana.

Hotel Tivoli

Se você está em São Paulo disposta a gastar (além do óbvio, já que aqui é caro!), então faça a rica ou o rico e parta para o Hotel Tivoli. Bem localizado, quase colado na Av. Paulista, ele possui uma bela piscina aberta, dominada pela luz solar, que pode ser aproveitada por quem não é hóspede. O Day Use custa R$ 250 e dá acesso ao bar, onde você também pode pedir drinks refrescantes.

Parque Ibirapuera

O parque Ibira sempre foi considerado o respiro verde dessa cidade e a meca da galera esportista. Dentro de sua área estão bons museus, pista de cooper e bike, quadras e diversas tribos que convivem em harmonia. Aproveite o dia para fazer um pique nique ou tomar um sol na beira do lago. Se ainda não fez isso, não pode ser chamado de paulistano!

Surf & Sound

O misto de loja de surf, estúdio de Tattoo e café-bar na Vila Madalena nos traz um gostinho litorâneo. O espaço é agradável, com área aberta e música indie-surf saindo das caixinhas de som. Aos finais de semana o local tem uma programação especial, oferecendo happy hour com DJs, banda e chopp em dobro. Domingo tem brunch a partir das 10h para começar o dia bem.

Paulista aberta

Assim como nosso amigo Minhocão, a Avenida Paulista também conseguiu, graças à demanda popular, ter um dia de folga para chamar de seu. Fechada para os carros aos domingos, é hoje ainda mais democrática, reunindo um monte de gente de diversas áreas da cidade (e do mundo) ao longo de toda a sua extensão. Ali estão famílias, skatistas, ciclistas, cachorrinhos fofos, crianças brincando e músicos tocando ao vivo por todos os lados. É uma grande festa que faz os paulistanos terem orgulho de sua cidade e perceberem que as ruas são feitas para dançar.

Foto: Minha Sampa

Largo da Batata

O Largo da Batata também tem ganhado e dado vida para a cidade nos últimos anos. Palco para manifestações artísticas, protestos, brincadeiras de rua e o que mais você quiser, o local é ponto de encontro, uma enorme área de convivência entre os paulistanos. Aos finais de semana costuma lotar de gente, especialmente porque o comércio ao redor tem se expandido. Alguns coletivos urbanos realizam atividades bacanas por ali, então vale a pena ficar de olho na página A Batata Precisa de Você.

Galeria 540

Semelhante ao Pitico, a Galeria 540 é um Biergarten com cervejas artesanais, arte e música. Visando a interação de pessoas e ideias, conta com uma agenda cultural de exposições, shows e o que mais der na telha.

Praça do Por do Sol

O apelido diz tudo. Essa é a praça mais solar de São Paulo. O local em Pinheiros, cujo nome verdadeiro é Praça Coronel Custódio Fernandes Pinheiros, é ponto de encontro de muita gente, que vai ali para observar o tal por do sol, jogar conversa fora, tocar um violão ou rolar na grama. Aos finais de semana de tempo bom, chega a reunir até 2 mil pessoas, que vão até lá só para observar o espetáculo no céu.

Represa Guarapiranga

já imaginou praticar Stand Up Paddle em plena capital? Na represa Guarapiranga isso é uma realidade, meu povo! Suas águas colaboram um pouquinho com a saúde da população, que se joga no esporte. Tem também caiaque e, na região do Grajaú, uma orla muito bonita onde o pessoal empina pipa, caminha, fica de bobeira e toma um solzinho.

Foto: Tempo Wind

Foto: Brunella Nunes 

Post por Brunella Nunes
Fotos: reprodução/divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *