O primeiro barco que avistou e chegou até a concorrida Ilha Saona, em Punta Cana, foi de ninguém mais, ninguém menos que Cristóvão Colombo, no ano de 1494. As águas cristalinas de cor turquesa são uma surra de beleza e vêm encantando multidões desde então, tornando esta a praia mais visitada da República Dominicana.

Apesar das agências turísticas adorarem afirmar que o lugar foi cenário de filmes clássicos como A Lagoa Azul e Piratas do Caribe, as fontes oficiais dizem o contrário. Independente disso, a areia branquinha e as coqueiros avistados de longe já são colírio para os olhos dos mortais. Mas é ao chegar nas piscinas naturais de águas cristalinas em La Palmilla que o público tem um verdadeiro deleite, seja mergulhando, praticando snorkeling ou simplesmente relaxando.

Ali repousam várias estrelas do mar, que obviamente não devem ser retiradas do local para fotos, pois isso danifica seus tecidos. Há chances de ver também peixes-boi e arraias nativas, além de tartarugas marinhas, que fizeram de Saona seu berçário. Lembre-se que esta é uma área de preservação ambiental, parte do Parque Nacional Cotubanamá (ou Parque Nacional del Este), que abraça 110 km² com mais de 500 espécies botânicas, 300 tipos de pássaros e 400 cavernas.

Chegando em terra firme da joia caribenha, a pedida é um shot de mamajuana, bebida típica Dominicana que mistura rum, vinho, mel, cascas de arvores e ervas. Os restaurantes locais também servem uma variedade de carnes e frutos do mar para o almoço. Se pular a refeição, não deixe de pular no mar azul e tranquilo, também propício para flutuação.

A parte mais ao Sul costuma ser menos movimentada e nos arredores de Canto de la Playa estão os mangues. Não há prédios ou carros na região e o tour pode se prolongar até a pequena vila de Mano Juan, morada de 300 pessoas, em grande parte de origem indígena da tribo Taino. Ruas de areia e casinhas de madeira coloridas são parte da paisagem. É ali que fica a única opção de hospedagem, a Casa Rural El Paraíso de Saona.

Os passeios com duração de até 10 horas, incluindo deslocamentos, partem de hotéis e resorts na parte da manhã rumo a Bayahibe, onde estão os catamarãs ou lanchas rápidas.

Alerta ambiental

As áreas protegidas do país são parte de 80% do turismo estrangeiro.Segundo informações do Ministério do Turismo da República Dominicana, em 2016 a ilha recebeu 900 mil visitantes, com uma pequena queda para 700 mil em 2017.

Cabe aqui uma reflexão importante. Por dia, cerca de 3 mil pessoas chegam ao pequeno paraíso a bordo de barcos e catamarãs. Surpreendentemente, ainda não há grandes danos naturais por conta do fluxo.

Ainda assim, é preciso ter responsabilidade ambiental durante a excursão. Verifique o quanto a operadora de turismo que faz o passeio é uma empresa séria. Leia sobre e procure pelas que apoiam viagens ecológicas/sustentáveis.

Procure não usar protetor solar (prática comum em lugares no Brasil como Jalapão e Bonito) ou opte por algum mais natural se for entrar na água, pois a química do produto prejudica a fauna marinha. E em hipótese alguma mexa com os animais, pois este tem sido um dos grandes problemas da região, visto que estrelas do mar vêm sendo utilizadas como enfeite de Instagram. Não seja essa pessoa.

Dito isso, comece a planejar sua viagem para Punta Cana e conheça a ilha de Saona com responsabilidade! Acesse nosso site e confira quanto custa essa viagem.

Fotos: divulgação

Altos de Chavón: aldeia medieval e bucólica a apenas uma hora de Punta Cana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *