Como muitos sabem, o Brasil é uma terra de tradições. Embora o Carnaval seja uma celebração bem famosa, transmitida pelos canais de televisão e cheia de artistas, é uma pena que o mesmo não ocorra com o típico Festival de Parintins, a capital mundial do Folclore no Amazonas.

Penas, plumas, brilho, cores e alegorias formam os três dias de celebração na região, sempre no último final de semana do mês de junho. Uma grande arena a céu aberto é formada para o ritual amazônico proporcionado por dois bois-bumbás rivais, o Caprichoso e o Garantido. Mas calma, tudo é parte de um universo lúdico, da qual não envolve a participação de animais de verdade ou atos violentos.

A festa popular, que acontece desde 1965, gira em torno da disputa de desfiles das agremiações, assim como acontece no Carnaval. Sediado no Bumbódromo, ou Centro Cultural e Esportivo Amazonino Mendes, o evento atrai cerca de 35 mil espectadores, que torcem por seus bois favoritos e ecoam gritos de guerra.

Parintins7

As fantasias, encenações, alegorias e enredos permeiam as temáticas regionais como lendas, rituais indígenas e costumes dos ribeirinhos. Na pista, figuras como rainhas, princesas, animais estilizados e personagens do folclore brasileiro como o Curupira, a Iara e o Boto Tucuxi dançam e interpretam uma história carregada há 80 anos. As apresentações ainda contam com fogos de artifícios, que iluminam a maior manifestação cultural da região norte do Brasil.

Para 2018 os ingressos são vendidos por Call Center e também online, para maiores informações de preços acesse o site do evento.

Parintins12

Parintins11

Parintins10

Parintins8

Parintins9

Parintins6

Parintins5

Parintins4

Parintins3

Parintins2

Parintins

Outros rumos

Além da festa, Parintins, a 420 km ou a 1 hora de avião de Manaus, fica na Ilha Tupinambarana. Cercada por vegetação e pelo rio Amazonas, a cidade conta com belas praias fluviais durante a vazante do rio Uaiacurapá, além de ser destino ideal para quem curte a pesca esportiva.

No centro, vale visitar a igreja do Sagrado Coração de Jesus, construída em 1883, a Praça Eduardo Ribeiro e as ruínas da Vila Amazônica, que foi antro da migração japonesa na década de 1930, atraídos pelo cultivo da juta.

Post por Brunella Nunes
Todas as fotos por Aguilar Abecassis

3 comentários

  1. Vocês falam que o Festival Folclórico de Parintins não tem a visibilidade merecida, mas no título o colocam como “carnaval fora de época”, a coerência mandou um abraço. O nome correto é FESTIVAL FOLCLÓRICO DE PARINTINS e não carnaval fora de época!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *