Viajar em grupo tem seus altos e baixos, como tudo nessa vida. A parte boa é a companhia, as risadas compartilhadas e ter sempre alguém para tirar fotos suas. O lado ruim é lidar com as expectativas de todo mundo e a sempre desagradável divisão das despesas.

Pois é, não tem jeito.

Em algum momento você e os seus companheiros de viagem precisarão falar de dinheiro.

Aquele momento em que você tenta ter uma conversa séria sobre finanças

Como dividir as despesas na viagem

Se acostuma com a ideia, respira fundo e vem que a gente te conta tudo sobre como dividir as despesas de viagem sem traumas.

Começando pelo…

Equilíbrio

Claro que o ideal é que todo mundo tenha um orçamento de viagem equilibrado. Ele não precisa ser exatamente igual, mas ajuda bastante se as diferenças não forem gritantes.

Se uma pessoa do grupo levar uma média de R$ 100 para gastar por dia em um destino e outra levar R$ 500, é bem provável que as finanças acabem pendendo pro meio termo.

Isso significa que quem levou menos dinheiro vai acabar gastando mais do que previa, ao mesmo tempo em que quem estiver com a carteira cheia acabará voltando pra casa sem ter gasto tudo aquilo que queria. O resultado é uma dupla decepção.

Uma maneira de prevenir isso é perguntar às pessoas com quem você irá viajar o quanto elas estão levando para o roteiro. Para puxar a brasa pro seu lado, uma dica malandra é avisar antes qual o seu orçamento. É provável que o resto do grupo tenda a pensar nas próprias finanças em função deste número.

20 destinos baratos para viajar em 2020

Como dividir as despesas na viagem
Quando a gente pensa em quanto dinheiro levar na viagem…

O IOF nosso de cada dia

Quando a viagem for internacional, é importante lembrar que cada compra feita em moeda estrangeira no cartão vai resultar na cobrança de IOF.

Por isso, os cálculos da divisão devem incluir também esse valor. Nesse sentido, há duas maneiras de acertar as contas com a pessoa que passou o bendito cartão para reservar passagens e acomodação do grupo (e evitar que ela saia no prejuízo):

  • Espere o dia do fechamento do cartão e pague os valores que foram cobrados, incluindo possíveis variações cambias e IOF.
  • Pague o valor certinho na moeda do destino, seja dólar, euro, estaleca ou peso uruguaio.

Lembre-se de que a melhor pessoa para escolher a maneira como prefere ser paga é sempre o comprador, ok?

Google Flights: como economizar com o buscador de voos do Google

Não mexe com a minha grana, tá legal?

Peça uma ajuda para a tecnologia

Atualmente, diversos aplicativos permitem dividir as despesas de uma viagem com facilidade. Eu uso e recomendo o SplitWise.

Ele funciona para finanças em geral e não só para o turismo. Um dos pontos mais bacanas é a possibilidade de designar uma despesa a apenas algumas das pessoas do grupo, por exemplo.

O app também permite registrar despesas em diversas moedas (tem reais, euros, dólares e mais um montão de divisas) e adicionar notas. Como padrão, ele divide tudo igualmente, mas também é possível compartilhar uma conta de várias maneiras: por percentuais, por partes ou registrar manualmente o valor referente aos gastos de cada pessoa.

Outra funcionalidade útil é a possibilidade de “simplificar as dívidas do grupo”. Assim ele faz uma mistura e combina automaticamente as dívidas, evitando os pagamentos desnecessários e diminuindo o troca-troca de dinheiros.

Bônus: o app manda lembretes simpáticos para os devedores, assim você se poupa da tarefa indelicada de ficar cobrando os amigos. 😉

8 dicas práticas para juntar dinheiro e fazer a viagem acontecer

Vamos ver essa dívida…

A técnica da caixinha

Outra técnica que funciona muito bem, principalmente para despesas menores, é a da caixinha coletiva.

Nesse caso, basta que todos concordem em contribuir com uma quantia determinada, que pode ser estabelecida de acordo com a duração da viagem e a quantidade de pessoas envolvidas.

Alguém fica responsável por cuidar desse dinheiro e usá-lo para pagar despesas comuns, sejam elas gastos com transporte público, pedágios, compras no supermercado, etc.

Uma dica interessante é estabelecer um valor razoavelmente baixo para a caixinha. Pode ser 20 dinheiros por pessoa em caso de moedas fortes como dólar, euro ou libra; ou R$ 50 aqui no Brasil. Caso a caixinha termine, basta que todo mundo contribua novamente e o ciclo continua.

Aquela caixinha especial

Um dia de cada vez

Outra maneira prática de dividir os gastos é usar o bom e velho bloquinho para deixar tudo anotado. Para os mais tecnológicos, o bloquinho de papel pode ser substituído por uma planilha compartilhada no Google Drive.

Nesse documento, basta fazer uma coluna para cada um dos amigos que está viajando e colocar sob o seu nome os respectivos gastos. No fim do dia, na chegada à acomodação, soma-se tudo e calcula-se o que cada um deve.

A vantagem é que, nesse caso, as contas são feitas a cada dia, o que facilita a organização financeira de todos e evita que alguém chegue no final da viagem com uma dívida inesperada.

Desafio das 52 semanas: um jeito fácil de juntar dinheiro para viajar

Como dividir as despesas na viagem
“Anotando tudo aqui, pó deixar”

Cada um no seu quadrado

Embora existam despesas comuns entre todos, é importante que o grupo também tenha liberdade de gastar suas verdinhas do jeito que quiser.

O restaurante costuma ser um dos principais centros de discórdia nesse sentido. Alguém no grupo não bebe álcool? Todo mundo comeu no mesmo lugar? Você pediu uma entrada e as outras pessoas não?

Dependendo da intimidade e do orçamento do grupo, a ideia pode até ser dividir a conta igualmente e paciência se houver uma pequena diferença no consumo.

Como dividir as despesas na viagem

Mas, se uma das pessoas do grupo come entrada, prato principal, sobremesa e opta por um vinho caro, enquanto o resto dos viajantes se contentou em dividir um prato entre duas pessoas (quem nunca?); não faz sentido que todos paguem o mesmo valor.

Nesses casos, vocês decidem entre calcular centavo a centavo ou realizar uma média aproximada do que cada um gastou. O importante é superar a vergonha e avisar que não está disposto a arcar com os gastos alheios.

Vai por mim: é provável que o próprio esbanjador se sinta mais à vontade se souber que vai pagar sozinho sua parte da conta – é o que a gente costuma chamar de bom senso. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *