Planejar viagem é uma das tarefas mais difíceis do mundo, especialmente se você não faz ideia de quando exatamente conseguirá pegar aquela folga. Na hora em que seus planos não saem como deveriam, saiba como cancelar a passagem aérea, quanto custa o procedimento e quais opções estão na mesa para reverter o prejuízo.

Primeiramente, indicamos que todo cliente leia o regulamento da devida companhia aérea antes mesmo de efetuar a compra, pois assim evitará estresses futuros. É um contrato de serviço que dará respaldo legal para ambas as partes. O direito ao arrependimento, respaldado pelo Código do Consumidor, pertence a todos, porém cada uma das empresas estabelece os padrões de cancelamento, desistência por imprevistos e remarcações de voo.

Dentro das regras da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) está previsto que o dinheiro deve ser 100% devolvido ao cliente dentro de sete dias a partir do momento da compra do bilhete de embarque em lojas virtuais ou por telefone. Se você procurar seus direitos só no oitavo dia, esquece.

No caso de compra em loja física, o tempo é mais curto, sendo apenas 24 horas para comunicar a desistência e ter o valor integralmente (incluindo taxas aeroportuárias) restituído caso exista um período igual ou maior que 7 dias até a data marcada para o voo.

Dentro das políticas de cada empresa está descrita a porcentagem retida a partir do momento em que os prazos de solicitação expiraram, sendo que algumas delas incluem na jogada até multa por desistência, que nunca poderá ser maior do que o preço do ticket aéreo. Ou seja, comprou passagem em janeiro para viajar em julho, mas só está cancelando em maio, perdeu o timing de ter ressarcimento do mesmo valor pago.

Tome nota: quanto menor o custo da passagem, maior as chances de você não ter o reembolso desejado ou da companhia ficar com cerca de 60% do valor por causa de taxas previstas no contrato. Promoção é bom, mas sempre traz esse risco, porque geralmente estão dentro de tarifas não reembolsáveis!

Existem ainda os casos especiais, situações extraordinárias que fogem do controle do passageiro, como a morte de um ente familiar ou problemas de saúde. Tais fatores garantem que a companhia aérea retenha apenas 5% ou 10% do dinheiro, caso ocorra após os 7 dias ou 24 horas da compra do bilhete.

Vale lembrar também que as passagens aéreas tem prazo de até um ano para serem utilizadas a partir da data da emissão.

Na hora do reclame, tenha sempre em mãos os e-mails, prints do smartphone ou computador, documentos, protocolos e anotações detalhadas dos pedidos de cancelamento para ter como se defender caso seja necessário, pois será preciso provar o pedido dentro dos prazos anteriormente mencionados.

Quanto custa o cancelamento de passagem aérea no Brasil

Cada modalidade tarifária dentro das empresas aéreas têm a sua devida porcentagem e/ou regra. Os números costumam ser alterados anualmente, então fique atenta a isso também!

  • Gol: quem paga mais na tarifa, tem menos custos para cancelar. Na tarifa Max, o viajante não tem custo com cancelamento, inclusive em caso de no show, com exceção de 5% do valor pago, que fica com a companhia. Nas tarifas Light Plus é preciso desembolsar R$ 170 para cancelar ou alterar a passagem aérea. A Plus tem reembolso de 40% do valor e a Light tem prejuízo: não há reembolso algum, além de cobrança de R$ 250 ou 100% da tarifa para casos de no show. Em tarifas promocionais a empresa não faz reembolsos para cancelamentos ou alterações, além de cobrar 100% do valor para quem não der às caras.

  • Azul: na tarifa Mais Azul, cobrança de R$ 210 para remarcação e retenção de 60% do valor da passagem no caso de cancelamento ou no show. Cobrança de R$ 210 a R$ 250 em taxas de remarcação na tarifa Azul, fora a taxa administrativa que equivale a 60% do valor da passagem.  Nas tarifas Z, X, OO, V, W, U e UU se desembolsa R$ 250, porém sem direito de reembolso.

  • Avianca: sem chance de reembolso na tarifa Promo, apenas remarcação no valor a mais de R$ 200 a R$ 250. Cobrança de R$ 150 a R$ 200 em taxas de remarcação na tarifa Economy e reembolso de 50% do valor. Na Flex não há pagamento de taxas para remarcar e a devolução da companhia é de apenas 5% no reembolso.

  • Latam: sem chance de remarcação ou reembolso na tarifa Promo. Cobrança de R$ 170 a R$ 250 em taxas de remarcação nas tarifas Light e Plus, porém uma sem chances de reembolso e outra com 50% de retorno, respectivamente.

*valores por trecho, por pessoa.

Como cancelar a passagem aérea

O procedimento de cancelamento varia de acordo com o sistema de cada companhia aérea, porém todas elas acatam com o status de “cancelado” se for feito em até três horas de antecedência do voo. Caso contrário, já pode contar como no show e aí você corre o risco de perder o ressarcimento.

Em todo caso, entre em contato diretamente com a empresa via telefone. É a solução mais prática para resolver isso com calma e explicar a sua situação ao atendente. Se a pressa for maior, poderá fazer diretamente pelo site onde foi feita a compra, porém poderá arcar com taxas adicionais de intermediação de serviço.

Para cancelar através do site das companhias, basta fazer seu login no sistema, visualizar sua compra no painel do usuário e procurar pela opção de cancelamento de passagem.

O que fazer se cancelou após o prazo de desistência

Negocie, meu bem! Reflita bastante sobre o próximo movimento nesse tabuleiro econômico para que não haja mais perdas do que ganhos. Você sempre pode reagendar a passagem, mesmo que implique em taxas adicionais, ou conseguir um crédito no mesmo valor pago, opção dada sempre que alguém solicita o cancelamento dentro do prazo. As taxas pagas, porém, devem ser devolvidas em quaisquer ocasião, visto que o cliente não irá usufruir do aeroporto se não for mais viajar.

Serviços adicionais como “assento plus”, seguro viagem, etc, devem ser consultados diretamente com a companhia, pois a mesma estipula seus padrões de cobrança para as pequenas mordomias não-obrigatórias.

Evite o chamado no show, ou não-comparecimento. Tal atitude faz com que a companhia aérea tenha o direito de aplicar multas ao passageiro, pois houve um déficit no voo. O ideal é sempre fazer o cancelamento e já viabilizar alguma solução.

E aí, resolveu?

Fotos: divulgação/banco de imagens

Companhias aéreas podem cobrar pela reserva de assentos? O QCV responde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *