Enfim a Copa do Mundo chegou e muita gente já está celebrando a alegria do esporte entre os russos que sediarão o campeonato. Mas, pra não ficar só nas bordas de Moscou, te convidamos a atravessar as fronteiras desse país ainda pouco desbravado. Confira 10 cidades para conhecer na Rússia.

Junto com São Petersburgo, a capital é um dos mais vibrantes e efervescentes lugares da Europa. Ambas são tidas como cidades criativas, nas quais nos últimos anos se veem mudanças positivas em termos socioeconômicos. Fábricas e antigas mansões se transformaram em bares, boutiques e coworkings descolados.

O Quanto Custa Viajar visitou e se encantou bastante com a viagem. Você pode conferir toda essa aventura aqui. A expectativa para 2018 é que a Rússia receba mais de 1 milhão de turistas estrangeiros. Se a sua vontade de ir pra lá ainda não aguçou ou deslanchou de vez, então vamos expandir o roteiro agora mesmo!

Perm

O legado industrial de Perm é marcado por tanques e mísseis de guerra. Mas aos poucos a cidade vai se tornando num destino cultural interessante, com a abertura de galerias de arte e edições do festival artístico Noites Brancas, que acontece em toda a Europa. Negócios criativos também encantam, como o centro cultural Apteka Bartminskogo, sediado numa antiga farmácia do século 19. Brechó, loja de discos, livraria, restaurante e bar, focado em cervejas artesanais, fazem parte do complexo.

Karelia

Para se deslumbrar com a natureza, os russos sempre seguem rumo a Karelia, destino que se destaca como um dos mais belos do país, seja no frio ou no calor. Atividades como rafting, trekking, pesca, ciclismo e 4×4 são alguns de seus principais atrativos, assim como os esportes de inverno. Ao cair da neve, a paisagem local se assemelha facilmente a um lugar encantado, típico em contos de fada. Somente em Karelia, há cerca de 27 mil rios fluindo e 60 mil lagos, incluindo Ladoga e Onega, os maiores da Europa, além de uma rica fauna e flora. A capital Petrozavodsk é ponto de partida para diversos passeios na região.

Yekaterinburg

Conhecida como a “capital russa da street art”, a cidade nas montanhas Ural abriga a primeira galeria dedicada a arte urbana do país, além de sediar o festival internacional Stenograffia, dedicado ao graffiti e uma bienal de arte contemporânea. E segue esbanjando criatividade e dinamismo. Tem uma forte pegada cultural que se espalha para a dança contemporânea, as galerias e os museus – que somam mais de 60 opções. Esculturas inusitadas, como de um teclado de computador ou de um cartão de crédito, se espalham pelas ruas e fazem parte de tours a pé. Pubs, bares e baladas agitam a vida noturna, por vezes regada a rock russo, sendo um dos orgulhos locais.

Encontre sua passagem para a Rússia (ou qualquer lugar do mundo) em nosso buscador de passagem aérea!

Kazan

Com mais de mil anos de vida, a cidade carrega muita história nas costas ao mesmo tempo em que equilibra duas culturas bem distintas: a russa e a muçulmana, como acontece em Istambul. Esse fato torna o lugar eclético, dentro e fora das catedrais ortodoxas e das mesquitas, chegando até a fusão gastronômica que ambos proporcionam. Apresentações teatrais e óperas se espalham pelos belos teatros da cidade. Anualmente também acontece o Festival Internacional de Cinema Muçulmano, espalhando diversidade e tolerância. Feiras de rua aos domingos exibem as novidades dos jovens designers e estilistas, então é a sua chance de levar algo original para casa.

Nizhny Novgorod

A quinta maior cidade russa é um tanto pitoresca e medieval, com edifícios que datam o século 13 e além. Nascida sob o nome de Gorky, a amuralhada Nizhny Novgorod é hoje aberta a todos, abrigando mais de 100 nacionalidades diferentes em seu território. Tal fato resulta numa comunidade multicultural, a cerca de 434 km de Moscou. Do outro lado do rio Oka, quem brilha é o belo Kremlin, próximo ao centro histórico, repleto de monumentos, catedrais, restaurantes, lojas e atrativos culturais. Com boa infraestrutura e um estádio novinho em folha, é um dos destinos que só tendem a crescer ainda mais durante os jogos da Copa.

Sochi

Conhecida por conta dos esportes de inverno, Sochi se anima ao cair da neve. O legado esportivo segue ao longo do restante do ano, pois sedia a Fórmula 1 Grand Prix da Rússia e será uma das cidades a hospedar o público para a Copa do Mundo. Banhada pelo Mar Negro e com ajudinha do clima subtropical, também oferece boas praias que transformam o local propício para veraneio. A região é conhecida ainda pelas plantações de chá, as principais da área Norte.

Vladivostok

Essa é daquelas cidades que têm um frescor típico de San Francisco ou Lisboa. Entre montanhas e baías, é um lugar agradável e com boas chances de propagar a cultura alternativa dentro de um país ainda muito conservador em seus princípios. Por enquanto, o que se pode observar são muitas pontes, inclusive a maior ponte suspensa da Rússia. Vizinha de países como Coreia do Norte e Japão, colhe um bocado de influências asiáticas. A moda local tem se desenvolvido para ocupar o lugar do mercado “made in China”, assim como o design. Na arquitetura e nas artes, o velho e o novo caminham de mãos dadas. Num momento você pode ver obras de Kandinsky e Goya enquanto em outro está de frente para traços contemporâneos de artistas em ascensão.

Caliningrado

Um pedacinho da Alemanha brota nessa cidade russa, que é também uma das sedes da Copa do Mundo, sediando jogos no Estádio Baltika. A charmosa arquitetura do centro velho e da vila de pescadores lembra as construções germânicas, que permeiam entre edifícios medievais, como se observa na Catedral Konigsberg. Os mercados flutuantes são um atrativo a parte, tidos como os melhores do país, atraindo colecionadores de todo o mundo em busca de relíquias da Segunda Guerra. Para quem busca por passeios diferentes, o ideal é dar um pulo no Museu Submarino, que mostra, na prática, como funciona e como é um submarino de verdade.

Voronej

Às margens do rio homônimo, Voronej (ou Voronezh) fica a 250 km da Ucrânia, fazendo parte da linha de trem que passa por Moscou e Kiev. A cidade foi fundada em 1586 para ser uma fortaleza e anos depois se tornou referência em desenvolvimento agrícola. Apesar de ser grande e cheia de indústrias importantes, mantém um certo clima de “interior” em sua atmosfera. As universidades recheadas de jovens acabam ditando também o ritmo da cidade, que tem ótimos bares e baladas, além de restaurantes, teatros, cinemas, museus, galerias e parques interessantes. O Platonov Arts Festival é um dos eventos a colocar na agenda. O visual urbano lembra a canadense Vancouver, com pontes, edifícios e vegetação rodeados pelo azul das águas.

Golden Ring

Este não é apenas uma cidade e sim várias! Golden Ring é uma das regiões mais antigas da Rússia e muito visitada pelos locais por ser lugar ideal para conhecer as tradições e a história do país. Entre os principais atrativos estão as igrejas, monastérios e fortes, além de museus que vão dos séculos 12 a 18. Para conhece-la, é melhor seguir uma rota pelas principais cidades, como Suzdal (o maior centro religioso russo), Vladimir, Rostov, Kostroma, Uglich e Yaroslavl, que possui um centro tão rico em história, que é considerada Patrimônio da Humanidade. Ali estão igrejas do século 17 e muitos exemplos da arquitetura clássica local. Em Sergiev Posad, não deixe de conhecer o chamado Trinity Lavra, um lindo monastério do século 14. As paisagens rurais e idílicas são outro ponto imperdível deste trecho russo.

Fotos: divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *