Mudança de rumo está nos seus planos? Então talvez seja bom consultar antes quais são as cidades mais baratas para brasileiros viverem dentro e fora do país. Com a crise econômica, é bom saber que há esperança tanto na gringa quanto aqui dentro para poupar nosso suado dinheirinho!

Em 2015, a revista Forbes montou uma lista baseada em um relatório publicado pelo banco UBS, ranqueando as cidades BBB, boas, bonitas e mais baratas para se viver na Europa. Seriam aquelas com apelo turístico e com bom custo-benefício. Kiev, na Ucrânia, ficou com o primeiro lugar, seguida de Vilnius (capital da Lituânia), Varsóvia (Polônia), Budapeste (Hungria), Riga (Letônia), Praga (República Tcheca), Bucareste (Romênia) e Sofia (Bulgária).

No restante do mundo, o que vimos em nossas pesquisas foi que a Ásia sai disparado em termos de custo de vida mais em conta, além de já se consolidar como um dos destinos mais baratos para se viajar. Confira a lista do Quanto Custa Viajar:
No Brasil

Há poucas fontes de informação em relação aos custos de vida mais baratos no Brasil. O site Custo de Vida reúne informações dadas pelos próprios moradores e cria uma base de dados. Nem todas as cidades são analisadas, já que depende de usuários oferecendo seus devidos gastos. A análise inclui preços médios de bar e restaurante, supermercado, transporte, utilidades, esporte e lazer, moradia, educação e hotelaria.

Porto Seguro – Bahia

Nem só de axé e viagens de formatura vive Porto Seguro. A cidade foi o primeiro local a abrir os olhos de Pedro Álvares Cabral no Brasil assim que chegou aqui, em 1500. Por incrível que pareça, o custo de vida também é atraente, sendo 59,2% mais barata do que Sampa.

Maceió – Alagoas

Um dos “Caribes” brasileiros também é uma das cidades mais em conta para se viver. Além de ser agraciada com praias maravilhosas – como vimos na Costa dos Corais -, é 58,4% mais barata para se viver que São Paulo, que é a cidade mais cara do Brasil.

Foto: divulgação/CVC

Olinda – Pernambuco

Quem vai à Recife sempre guarda um tempinho para conhecer Olinda, cidade histórica que é Patrimônio Mundial da Unesco. E talvez valha a pena esticar sua estadia por lá, já que a cidade tem um custo de vida 53,6% mais barato do que São Paulo. O aluguel de uma kitchenette numa região em conta custa R$ 403,00, contra R$ 836 na capital econômica do Brasil.

Ouro Preto – Minas Gerais

Com o maior conjunto arquitetônico barroco do país, que a tornou Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto é uma excelente oportunidade de conhecer as raízes históricas do Brasil. Segundo dados dos moradores, é também uma das cidades com o melhor custo de vida, que é 48,8% mais barato do que em São Paulo.

Foz do Iguaçu – Paraná

Quem diria que uma das cidades turísticas mais cobiçadas e visitadas do Brasil também seria uma das mais baratas para se viver. Dona de uma das Cataratas mais famosas do mundo, Foz se divide entre Brasil, Argentina e Paraguai, ganhando fama por conta das fabulosas Cataratas, além da carne argentina e um belíssimo templo budista. O custo de vida é 44,8% mais em conta do que em São Paulo.

Fora do Brasil

Segundo o site Nomad List, existem muitas cidades, especialmente na Ásia, onde se vive com menos de US$ 750,00 por mês, o que equivale a aproximadamente R$ 2.381,00 – de acordo com a cotação atual do dólar. Além de avaliar os custos de vida, a ferramenta também coloca em pauta outras coisas importantes, como os níveis de segurança, entretenimento e velocidade da internet, visto que o foco são os nômades digitais, pessoas que trabalham remotamente, de qualquer lugar do mundo.

Chiang Mai – Tailândia

A cidade tailandesa tem despertado o olhar de turistas. Com gastos mensais de US$ 593, o público avalia o local como ótimos custos para viver, boa qualidade do ar, amigável para mulheres, clima ótimo, segurança e qualidade de vida boas. Nas desvantagens entram algumas questões como a língua, onde poucos falam ou entendem inglês; a tolerância racial, que indica altos níveis de preconceito; a vida noturna, que é fraca; e a falta de liberdade de expressão. A nível de comparação, é 47% mais barata do que São Paulo.

Hanói – Vietnã

Com US$ 694 por mês é possível viver em Hanói, a segunda maior cidade vietnamita. O custo de vida, os espaços para trabalhar e o grau de facilidade para caminhar são apontados como ótimo. De resto, o destino fica com má qualidade do ar, entretenimento ruim, pouca liberdade de expressão, pontos de wi-fi públicos ruins, não é amigável para mulheres e gays, assim como também tem um baixo nível de tolerância racial. A nível de comparação, é 49% mais barata do que São Paulo.

Lviv – Ucrânia 

Nós já falamos aqui que Kiev, na Ucrânia, é o destino mais baratos da Europa. Em Lviv se comprova essa teoria, já que dá pra viver com US$ 414 por mês. Custo de vida, segurança no trânsito, internet, lugares para trabalhar e o fato de ser amigável com estrangeiros estão entre as qualidades do destino. Já os pontos que precisam melhorar são: vida noturna, qualidade do ar, segurança, tolerância racial, liberdade de expressão, tornar-se amigável para mulheres e gays. A nível de comparação, é 65% mais barata do que São Paulo.

Catmandu – Nepal

Essa é, talvez, a mais barata de todas. Com US$ 316 por mês é possível viver em Catmandu, vale que é considerado patrimônio mundial da Unesco. Embora tenha alguns pontos positivos, é preciso melhorar em muitos outros, como a qualidade de vida, a internet, a segurança e a qualidade do ar. Ainda assim, tem custo de vida, entretenimento, segurança no trânsito, clima e proficiência em inglês considerados ótimos, além de ser amigável para estrangeiros. A nível de comparação, é 48% mais barata do que São Paulo.

Tijuana – México 

Apesar de não ser muito segura, esta é uma das cidades mais baratas para se viver. Logo na fronteira entre Estados Unidos-México, o destino na Baja California tem ótimo custo de vida, onde se gasta em média US$ 491 por mês. A qualidade do ar, o entretenimento, a vida noturna, a segurança no trânsito, e o grau de facilidade para caminhar são apontados como ótimo. As maiores desvantagens ficam pelos locais para trabalhar, o wi-fi público, a liberdade de expressão e a segurança. A nível de comparação, é 56% mais barata do que São Paulo.

Tianjin – China

Com US$ 605 mensais é possível viver em Tianjin, uma das maiores e mais importantes cidades chinesas. Amigável para mulheres, o destino tem ótimo custo de vida e segurança. Assim como boa parte dos demais países dessa lista, precisa melhorar a liberdade de expressão, aceitação do público gay e tolerância racial. A qualidade do ar na China está entre as piores do mundo, ou seja, também é um problema que alcança Tianjin, além da internet e da vida noturna não serem tão boas. A nível de comparação, é 32% mais barata do que São Paulo.

Post por Brunella Nunes
Fotos: reprodução

Quando não está viajando pelo mundo, está viajando nas ideias.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *