Ah, a burocracia…como é difícil lidar com ela! Se seus planos de viagem se tornaram um pesadelo antes ou depois de chegar ao aeroporto, eis aqui uma solução prática para evitar a dor de cabeça: o Tomaz, advogado virtual que promete te ajudar quando as companhias aéreas desrespeitarem os seus direitos.

Problemas com o embarque, atrasos de voos, bagagem extraviada e até cancelamento do bilhete ou voo podem dar um baita trabalho extra para os clientes. De olho nesses impasses, a Amaral e Cunha Advogados resolveu simplificar e facilitar os processos judiciais através de um aplicativo para celular e um site, onde o Tomaz estará disponível para agir em prol da Justiça.

Ao Quanto Custa Viajar, Pedro Amaral – um dos sócios – nos contou como surgiu a ideia. A nossa proposta é justamente desburocratizar o acesso à justiça em demandas judiciais pouco complexas e com jurisprudência pacífica (ou seja, já sabemos quem e porque ganha), criando uma plataforma eficiente capaz de gerar retorno financeiro ao processar estas ações judiciais de valores mais baixos”.

Os idealizadores do projeto recém-lançado também dividiram alguns dados da empreitada conosco. Em torno de 30 dias de operação da versão beta, já conseguiram 26 clientes, cinco acordos com companhias aéreas, sendo o recorde de indenização em até 16 dias úteis, e com valor médio de R$7.512,00 por passageiro. Constatamos que há discussões jurídicas que são economicamente inviáveis, ou seja, o custo de discutir é maior do que o valor em discussão. Como temos um excesso de burocracia, que gera custo econômico e de tempo, e um serviço jurídico ruim e caro, deixando um mercado imenso desatendido, muitas dessas ações judiciais natimortas acabam tendo até valores razoáveis”, pontuou Pedro.

O app faz presença em cinco estados brasileiros (RS, SC, PR, SP e DF) atualmente e está com audiências marcadas até fevereiro de 2018. O cadastro da queixa leva pouco mais de cinco minutos e não há custos para o usuário, a não ser que o passageiro receba algum tipo de indenização, o que resulta em honorários para os advogados, que são 30% do valor total. Ou seja, o Tomaz só ganha quando o cliente ganha a ação judicial.

Para se ter uma ideia do tamanho da zona de conforto em que vivem as companhias aéreas, eis alguns números dos últimos 12 meses da ANAC, Agência Nacional de Aviação Civil: foram realizados mais de 1 milhão de voos, sendo 164 mil cancelados ou atrasados. Tudo isso acaba lesando o passageiro, que poderia fazer alguma coisa. Estima-se que ao menos 12 milhões de casos sejam passíveis de ações.

Ainda segundo a agência governamental, os consumidores podem recorrer à Justiça em caso de atrasos, remarcações ou cancelamentos, dentro das seguintes condições:

Post por Brunella Nunes
Fotos: reprodução

4 comentários

  1. Gostei! Vou usar! As cias aéreas fazem o que querem porque sabem que menos de 5% vão atrás dos seus direitos.
    Seja bem-vindo, Tomaz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *