Turismo Rural no Brasil resgata raízes do campo e oferece vivências típicas da roça

Turismo Rural no Brasil resgata raízes do campo e oferece vivências típicas da roça



Já ouviu falar em turismo rural? Essa é uma modalidade em expansão no Brasil, que é um prato cheio para quem adora passar um tempinho desconectado no interior. É uma viagem muito ligada às nossas raízes agrárias, valorizando a paisagem, a gastronomia, o estilo de vida e as tradições das famílias que vivem longe dos centros urbanos.

Vivenciar uma rotina diferente, nem que seja por alguns dias, talvez seja o principal atrativo que as propriedades rurais proporcionam, incorporando atividades turísticas para ampliar as experiências oferecidas aos visitantes. Segundo o Ministério do Turismo, “além da possibilidade de geração de uma renda adicional para as comunidades locais, o Turismo Rural pode contribuir para a revitalização econômica e social das regiões, a valorização dos patrimônios e produtos locais, a conservação do meio ambiente, a atração de investimentos públicos e privados em infra-estrutura para os locais onde se desenvolve.”

É legal priorizar os passeios e ou estadia em fazendas de agricultura familiar, que proporcionam uma proximidade maior com quem está inserido no meio rural e extrai da terra seu sustento para sobrevivência. Evite as fazendas que oferecem experiências duvidosas, como o chamado “turismo da escravidão”, tema pesado que ficou polêmico após a divulgação do que acontecia na Fazenda Santa Eufrásia, em Vassouras (RJ). No caso, os turistas podiam “brincar” de escravocrata por um dia, numa espécie de “encenação”. Usar esse capítulo tão desumano, desrespeitoso e doloroso do passado não é, de forma alguma, divertido ou prazeroso. Não por acaso, o Ministério Público Federal proibiu a prática e, caso seja propagada em outras propriedades, deve ser denunciada.

E aí, bora pegar o caminho da roça?

Existem uma porção de cidades a serem desbravadas no interior de cada região do país, cada qual com suas particularidades e cultura, o que torna essa viagem tão especial. No Rio de Janeiro, um dos principais roteiros se desenvolve no Vale do Café, onde ainda restam várias fazendas do período imperial, comandadas por barões nos séculos passados. Os municípios de Vassouras, Valença, Rio das Flores, Barra do Piraí, Piraí, Engenheiro Paulo de Frontin, Mendes, Paty do Alferes, Miguel Pereira, Paraíba do Sul e alguns distritos como Ipiabas e Conservatória fazem parte do Circuito de Fazendas.

Um dos exemplos para visitar é a Fazenda Santa Cecília, também conhecida como Fazenda Piedade, a 15 km de Miguel Pereira. Construída em 1770, sofreu mudanças em sua arquitetura colonial no século 19, tornando-se neoclássica. Nos jardins, projetados por Burle Marx, está uma capela assinada pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer. Além de estar aberta para visitação (mediante agendamento prévio), possui 19 suítes para hospedagem.

Foto: Isabela Kassow

Aproveite também o Festival Vale do Café, evento que reúne concertos de música nas fazendas, shows em praças públicas e igrejas, além de promover oficinas de música voltadas para as crianças da região.

No Espírito Santo, o turismo rural se espalha pelas cidades de Brejetuba, Cachoeiro de Itapemirim, Conceição do Castelo, Domingos Martins, Ibatiba, Ibiraçu, Iconha, Irupi, Itarana, Iúna, Marataízes, Marechal Floriano, Nova Venécia, Rio Bananal, Santa Teresa, São Roque do Canaã, Serra, Vargem Alta, Venda Nova do Imigrante e Vila Pavão.

Por essas bandas se destacam artesanatos, produção de cervejas, vinhos, laticínios e embutidos, além de orquidários e ecoturismo. Em Venda Nova do Imigrante, a 104 km de Vitória, come-se muito bem nas fazendas, como a Fazenda Carnielli, que produz cafés, queijos, fubá, embutidos suínos, palmito pupunha, biscoitos e doces. Oferece visita à usina hidrelétrica, moinho de fubá, torrefação de café, criação de galinhas caipiras, reflorestamento com árvores nativas, história da imigração italiana e gestão rural. Também vende seus produtos na loja própria.

Já em Ibatiba, próxima ao Pico da Bandeira e com jeitinho de Minas Gerais, a cultura cafeeira e tropeira ainda resistem. Dentro do Circuito Turístico Caminho dos Tropeiros estão antigas fazendas transformadas em pousadas, restaurantes e sítios, com produção e venda de frutas, geleias, doces, mel, café e vinho.

Nas Minas Gerais, o sossego e a simplicidade já estão marcados no DNA. Entre seus vales e montanhas está um forte legado histórico ligado ao cultivo de café. O agroturismo na região se desenvolve tanto em grandes fazendas como em pequenas propriedades familiares inseridas no Turismo Rural Solidário. O Nossa Roça conecta curiosos e famílias, promovendo passeios e vivências próximas a Belo Horizonte, com a promessa de descanso e atividades para quem quer colocar a mão na massa. Segundo eles, “tem muito biscoito para enrolar, doce para fazer, animal para alimentar, verdura para colher e semente para plantar”.

Há também o roteiro Entre Ruralidades e Personalidades, onde estão municípios como Itabira, terra natal de Carlos Drummond de Andrade, e Nova Era, a 140 km de BH. Entre os destaques, visite a Lagoa de São José; a Fazenda Vargem; a Ponte Pensil; a Gruta de São José da Lagoa; e a Ponte Benedito Valadares. Já a Rota do Café Especial reúne propriedades que vão do grão à xícara da bebida. A experiência completa pode ser feita na Fazenda Sertão, na Serra da Mantiqueira, em Carmo de Minas; na Fazenda Pedra Redonda, na Serra do Brigadeiro, em Araponga; no programa Café Completo, na Fazenda Cachoeira, em Santo Antônio do Amparo; no Roteiro dos Cafés Especiais, na Fazenda Capoeira, em Areado.

O Circuito Villas e Fazendas abrange as cidades de Carnaíba, Casa Grande, Conselheiro Lafaiete, Cristiano Otoni, Itaverava, Queluzito, Rio Espera, Santana dos Montes e Senhora de Oliveira. O hotel Fazenda da Pedra, em Lagoa Dourada, a 32 km de Conselheiro Lafaiete e Tiradentes, se mantém de pé desde 1797. Além de preservar um rico acervo de móveis e utensílios da época, oferece atividades rurais e aventureiras aos visitantes.

Em São Paulo, existem pelo menos quatro roteiros rurais a serem feitos: o Circuito das Águas Paulista; o Circuito das Frutas; Fazendas Históricas Paulistas; e Caminhos do Sol. Como são muitos municípios envolvidos – afinal, SP é gigante! – vamos citar alguns pra você se localizar no meio de tanta opção. Em Mococa, na divisa com Minas, está a Fazenda Santo Antônio da Água Limpa, pioneira na produção de café orgânico, desde 1822. Além de oferecer hospedagem, conta com passeios pela propriedade, piscina com água de mina, cachoeira, degustação de café, aula de culinária, cavalgadas, projetos sociais e de preservação da natureza.

Em Itatiba, o Hotel Fazenda Dona Carolina é um dos principais atrativos do município. Ocupando uma antiga fazenda colonial de café, de 1872, conta com 94 apartamentos e suítes, áreas de estar, lazer, recepção, bar, restaurante, spa e centro de convenções, além da plantação de café e produção artesanal de cachaça. Oferece vivências como passeio de trator, a ordenha de vaca e ida até as plantações de cana e café.

Agora o que poucos sabem mesmo é que dentro da região metropolitana existe gente vivendo da agricultura. Em meio a tantos desafios urbanos, há cerca de 400 agricultores em São Paulo, segundo dados da Prefeitura. Próximo a Parelheiros, extremo Sul da cidade, está Cratera de Colônia, um lugar bastante curioso, pois se formou – literalmente! – numa cratera de meteoro há milhões de anos. A maior parte das famílias que ali vivem se sustentam da agricultura, seja de hortaliças, frutas orgânicas ou legumes.

Chegando, enfim, na região Sul, temos alguns dos melhores destinos para vivenciar o Turismo Rural. No Paraná, os roteiros de espalham de leste a oeste. Em Castro, nos arredores de Campos Gerais, se destacam o Hotel Fazenda das 100 Árvores, a Pousada Fazenda Ribeirão das Flores e o Parque Pousada Canyon Guartelá. Já em Tibagi, a Pousada Fazenda Guartelá e o Itáytyba Ecoturismo estão entre as opções.

Há também as Rotas do Pinhão, na região metropolitana de Curitiba, um misto de aventura, história, gastronomia, paisagens bucólicas e rurais. Em seus 36 km estão desde fazendas até vinícolas e cantinas italianas no Caminho do Vinho. Seus atrativos vão do tradicional pesque e pague ao colhe e pague de frutas como pêssegos e ameixas; a boa mesa acompanhada de café colonial polonês; e venda de produtos artesanais, como compotas, geleias e cervejas caseiras, até hortaliças orgânicas.

O agroturismo também é difundido no circuito Estradas e Caminhos, pelo centro paranaense, que é marcado pela tradição e costumes rurais, passando por pousadas e parques. No roteiro Terra dos Pinheirais se promove o Circuito Polonês-Ucraniano e hospedagens como a Pousada Fazenda Virá, em Fernandes Pinheiro, e o Ózera Hotel Pousada em Prudentópolis. Em Mallet, o Hotel Fazenda Hidromineral Dorizzon possui ainda uma estância de água alcalina sulfurosa.

O Roteiro Doce Iguassu, na Região Vales do Iguaçu, promove visitas agroindústrias familiares, alambiques e propriedades que produzem mel, uva, abacaxi, mandioca, grãos, entre outros. Além disso, oferece passeios até a Cratera de Impacto de Vista Alegre em Coronel Vivida, causada por um asteróide há 150 milhões de anos.

Fazenda Jamaica, Terreirão do Café – Ribeirão Claro, Paraná
Café Colonial em São Luiz do Purunã – Balsa Nova, Paraná

Em Santa Catarina, vale a pena ir até Lages, município a 224 km de Florianópolis que é pioneiro em turismo rural no Brasil. Em meados de 1980, fazendeiros começaram a abrir suas propriedades para visitas com o intuito de completar a renda, e a moda não parou mais. Desfrute as refeições tropeiras, as paisagens infinitas e a Festa Nacional do Pinhão, no mês de maio.

O Hotel Fazenda Pedras Brancas oferece trilhas e Caminhadas ecológicas com ritual  indígena; percursos de cavalgadas durante o dia e a noite; lago para pesca; piscina térmica e fria; sauna; banheira de hidromassagem coletiva para 6 pessoas; e visita na fazendinha de pequenos animais.

Outro ponto de interesse é Rio dos Cedros, parte do Vale Europeu e a 42 km de Blumenau, que tem em sua zona rural uma porção de paisagens bucólicas, cachoeiras e arquitetura típica da Alemanha e da Itália. Em setembro é realizada a Festa Trentina, evento que reúne shows folclóricos, desfile alegórico e a maravilhosa culinária Italiana. Entre novembro e fevereiro, hortênsias florescem e enfeitam os caminhos.

A Fazenda Vale dos Ventos é uma boa pedida para quem quer se desligar do caos das grandes cidades. Depois de 47 anos de trabalho agrícola da família dos Irmãos Bona, os atuais donos investem no turismo local  Chalés rústicos Trilhas, escaladas e cavalgadas estão inclusas na programação.

Já no Rio Grande do Sul, o interior também é um prato cheio. Comece o roteiro pelos Caminhos Rurais, zona agroecológica que ocupa 30% do território da capital Porto Alegre. Por ali se espalham fazendas, sítios, granjas e armazéns onde a produção artesanal dita as regras. A Fazendinha Farroupilha propaga as tradições gaúchas e oferece Almoço, jantar e café campeiro mediante reserva.

Já em São Lourenço do Sul, a Fazenda do Sobrado é focada em cultivo agrícola e atividade pecuária, mas também tem opções de hospedagem rural, com atividades campeiras, passeio a cavalo, trilhas e gastronomia típica gaúcha. Em Garibaldi, é indicado fazer a rota Estrada do Sabor, que passa por vinhas e vales, onde são degustados delícias regionais.

Linha do Pinhal – SC

Post por Brunella Nunes
Fotos: divulgação

Para onde viajar
Eu tenhoBudget
e quero viajar porDias
Para onde viajar

+ Não há comentários

Comente