Tudo o que você precisa saber para esquiar em Bariloche nesta temporada

Tudo o que você precisa saber para esquiar em Bariloche nesta temporada



Depois de mostrar lugares com neve no Brasil – se você tiver alguma sorte, é claro – chegou a hora de falar sobre um destino clássico para quem quer ver esse fenômeno de pertinho. Vamos mostrar tudo o que você precisa saber para esquiar em Bariloche nesta temporada, que vai de junho a meados de setembro.

A cidade a 1.500 km de Buenos Aires ocupa uma área da Patagônia Argentina, o que garante paisagens deslumbrantes junto à Cordilheira dos Andes, já na fronteira com o Chile, pelas quais os brasileiros se apaixonam facilmente. Apesar de manter sua beleza em qualquer época do ano, é no inverno que a movimentação aumenta, assim como os preços, ditando as regras da alta temporada. Mas, saiba que: o outono em Bariloche é maravilhoso, deixando a cidade charmosa como nunca, com destaque para a Festa do Chocolate durante a Páscoa; no verão e na primavera também há o que ver e fazer, seja caminhar pelas florestas ou curtir dias ensolarados à beira do lago.

A presença da neve é mais garantida entre julho e agosto, mas não existe controle sobre isso, afinal, é a natureza que manda! Mas nos últimos anos a quantidade de gelo tem sido suficiente para garantir a diversão dos moradores e turistas ao longo dos quatro meses. Em julho, coincide com as férias escolares, aumentando o fluxo de pessoas, enquanto agosto está mais tranquilo e ainda com condições bem favoráveis.

As estações de esqui abrem a partir de junho, então vale a pena sempre questionar os hotéis ou agentes de viagens se neste período já está nevando por lá, assim como acontece em setembro. Neste ano, a agência consultada pelo Quanto Custa Viajar disse que provavelmente ainda estará com neve neste período.

O Cerro Catedral é a maior estação de esqui da América do Sul e a mais antiga da Argentina. Quem não se hospedar por lá pode pegar um ônibus no centro, que sai de hora em hora, ou agendar táxis e vans. Seu cume está a 2.180 metros acima do nível do mar, proporcionando não só temperaturas baixas como uma vista panorâmica para o lago Nahuel Huapi, mais de 50 pistas de esqui e snowboard, além de uma rede de teleféricos moderna.

Recebendo um grande número de pessoas, oferece uma infraestrutura completa, alugando equipamentos e oferecendo aulas de diversos níveis para as modalidades (a de esqui custa R$ 101), mas não são uma obrigação, vai depender da decisão e do bolso de cada um mesmo. Os preços variam e quem se hospedar em hostel pode perguntar se há algum professor hospedado no local, assim dá pra negociar um precinho amigo.

Há ainda outras estações tanto em Bariloche como na região de Río Negro, como o Cerro Otto (a 10 km do centro), o Cerro Campanário (a 17 km do centro) e Piedras Blancas (a 15 km do centro), este último ideal para iniciantes e crianças pequenas porque se destaca na modalidade “esquibunda”, experiência que costuma ser bem divertida e engraçada. Além disso, tem uma tirolesa de mais de 1.500 metros sobre o bosque e costuma ter custos mais baixos em relação ao Cerro Catedral.

Mesmo para quem não vai se aventurar esquiando ou praticando snowboard nas montanhas, há uma porção de passeios e atividades de lazer para todas as idades. Dá para embarcar em passeios de trenó, quadriciclos e teleférico, fazer escaladas, trilhas e outros esportes radicais, concluir o tour de 4 horas pelas paisagens locais – o Circuito Chico, provar o chocolate e as delícias gastronômicas locais.

O que vestir: Para aguentar as temperaturas negativas, que oscilam entre 0º e -10º, é possível alugar roupas especiais a preços acessíveis nas lojas da cidade. É indispensável levar luvas, gorros, peças de lã, calças e blusas térmicas e um casaco impermeável. Quanto mais impermeável a roupa de esqui, melhor, afinal, a neve pode congelar os desavisados.

Quanto Custa: os valores variam de acordo com o destino escolhido para curtir a neve. As passagens aéreas para Bariloche custam a partir de R$ 1.300,00. Já a hospedagem, na região central estão preços variados, incluindo hostels e apartamentos por R$ 50 por dia, enquanto no Cerro Catedral os valores sobem, com diárias entre de R$334,82 a R$1.078,51. Confira onde ficar em Bariloche neste link.

Os ingressos para as estações de esqui podem ser adquiridos online e são válidos para o dia inteiro ou meio dia. Não tenha vergonha de pedir descontos para grupos. Em Piedras Blancas, por exemplo, os ingressos para “esquibunda” variam dependendo da temporada, mas ficam entre 650 e 800 pesos para adultos e metade para crianças de até 12 anos. Para combinar pista + tirolesa, o valor sobre para 1.100 e 1.240 pesos. Já o Cerro Campanário cobra 200 pesos por pessoa, valor bem abaixo dos demais.

Se ficar em resort, é provável que tudo já esteja incluso no valor das diárias, incluindo as refeições. Vale a pena pesquisar pacotes com agências de turismo, que já incluem hotel, traslado (se necessário), equipamento, roupa adequada e passeios. Em uma oferta do site Viator, uma pessoa paga US$ 1.257,99 para quatro dias, com tudo incluso.

Para maiores informações, acesse o site oficial de turismo de Bariloche.

Post por Brunella Nunes
Fotos: divulgação/Turismo de Bariloche

Quanto custa viajar para Bariloche
Saindo desimulação de calculadora
com estadia desimulação de calculadora
Quanto custa viajar para bariloche

+ Não há comentários

Comente